Era o verdadeiro confronto pelo Futebol Total. De um lado, o Manchester City de Pep Guardiola, o fiel herdeiro dos ensinamentos de Johan Cruyff. Do outro, o Manchester United de Erik ten Hag, um neerlandês em toda a dimensão da palavra que nas últimas épocas recuperou a identidade do Ajax. Este domingo, no Etihad, Manchester assistia a mais um dérbi entre as duas principais equipas da cidade — mas com um toque laranja lá pelo meio. 

O Manchester City chegava à partida com mais cinco pontos do que o Manchester United e com a noção de que uma eventual derrota contra o eterno rival significava ficar a quatro pontos do líder Arsenal, que este sábado venceu o respetivo dérbi contra o Tottenham. Proveniente de três vitórias consecutivas antes da paragem para os compromissos das seleções, a equipa de Guardiola sabia que a exigência teria de estar ao mais alto nível para que o encontro não terminasse em desilusão.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.