i

LUSA

LUSA

Bloco de Esquerda alerta para corte de pensões. Marisa Matias diz mesmo que Bruxelas prepara um "assalto"

Catarina Martins voltou a estar ao lado da número um da lista. Mas na Madeira, foi Marisa Matias quem deu o soundbite do dia quando o Bloco puxou tema das pensões: Bruxelas prepara "um assalto"

A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, alertou hoje, no Funchal, que a União Europeia pretende fazer cortes nas pensões para apoiar o sistema financeiro, tratando o PSD os pensionistas como “a peste grisalha” do país.

“Fizemos um acordo para tirar a direita do Governo da República. A condição que o BE pôs à cabeça foi o descongelamento das pensões e a proteção da Segurança Social. Não o fizemos por acaso”, argumentou a dirigente bloquista num almoço comício no Funchal, na Praça do Peixe, que reuniu cerca de 400 pessoas.

Catarina Martins complementou que a decisão esteve relacionada com o facto de “PSD e CDS terem prometido à União Europeia que iam fazer um ajustamento que, como Maria Luis Albuquerque [ministra das Finanças do anterior Governo do PSD] disse, significava um corte de 600 milhões de euros às pensões todos os anos”.

Catarina Martins a discursar no almoço comício deste domingo na Madeira

LUSA

A responsável explicou que, entre 2017 e 2019, “os pensionistas iam ter cortes”, uma situação que “era preciso travar”.

“Mas o PS também prometia, não os cortes diretos, mas indiretos de congelamento com 250 milhões de euros a serem tirados aos pensionistas a cada ano”, acrescentou.

A coordenadora realçou que foi esta política que levou o BE a colocar “como condição inicial o descongelamento das pensões, porque quem trabalha toda uma vida, paga as suas contribuições” e acaba pagando a “riqueza do país não pode ser tratado como a peste grisalha, como fez o PSD”.

Considerando que existem “condições melhores de acesso à reforma e foi feito um pouco mais de justiça”, Catarina Martins opinou que as reformas “são baixas demais” e é “indigno um país pôr os reformados a escolher entre o jantar e os medicamentos”.

Catarina Martins, Marisa Matias, José Gusmão e Rui Ferrão na ação de campanha deste domingo na Madeira

LUSA

“É por isso que sabemos que não chega o caminho que foi feito até aqui e é preciso fazer mais e vamos a estas eleições europeias dizer que é preciso mais respeito por quem trabalhou e proteger as pensões”, declarou.

Catarina Martins disse ter lido que Pedro Passos Coelho (PSD) “vai entrar na reta final desta campanha eleitoral do PSD”, o que seria uma oportunidade para “explicar os cortes” de 600 milhões que pretendia fazer ou o PS elucidar “porque pretendia congelar os 250 milhões”.

“A sustentabilidade da Segurança Social consegue-se com emprego, crescimento da economia e mais gente a contribuir para um sistema que é de todos”, argumentou, realçando que “é isso que está em debate na Europa”.

“É por isso, que dia 26, votar é proteger as pensões”, sublinhou.

Marisa Matias diz que Bruxelas prepara “um assalto” às pensões

No mesmo evento, a cabeça de lista do BE às eleições europeias de 26 de maio, Marisa Matias, alertou que Bruxelas “está a preparar um assalto às pensões” para recuperar o sistema financeiro.

“Há um tema que não tem sido falado”, disse a candidata, alertando que “a União Europeia está mesmo a preparar um assalto às pensões”, através de um PPR europeu, “um negócio à medida do mercado de capitais”, para aliviar “a pressão sobre os fundos públicos” e “recuperar o sistema financeiro”.

Marisa Matias disse que o BE e os pensionistas não querem os descontos “nas mãos do sistema financeiro” e que a União Europeia “quer é atacar” os sistemas públicos da Segurança Social e das pensões.

A número um da lista durante o discurso na Praça do Peixe, no Funchal, onde alertou para o "assalto" às pensões

LUSA

“O objetivo de Bruxelas é recuperar o sistema financeiro à custa das pensões e por isso inventa uma desculpa da falta de poupanças”, salientando que Bruxelas quer reduzir a Segurança Social “a um sistema de esmolas para pobres, empurrando quem pode para produtos privados e quem não pode para a miséria”.

Por isso, Marisa Matias lançou uma pergunta aos cerca de 400 participantes no almoço/comício que decorreu na praça do peixe do Mercado dos Lavradores no Funchal: “Querem mesmo ver as vossas pensões nas mãos de banqueiros como Joe Berardo, Ricardo Salgado ou Armando Vara?”

A cabeça de lista do BE, depois de salientar que o bloco central europeu onde estão o PS, PSD e o CDS/PP estão do lado do sistema financeiro, apelou aos militantes para não faltarem ao voto no dia 26 de maio “para defender as pensões que merecem”.

O candidato pela Madeira do BE Rui Ferrão defendeu a necessidade da Madeira, enquanto região ultraperiférica, ter um representante no Parlamento Europeu.

Recomendamos

Populares

Últimas

A página está a demorar muito tempo.