Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Aprendeu cedo a fazer perguntas, a querer saber porque é que as coisas são como são. O lema serviu para a paixão: o futebol. E lançou-o no sonho, aos 13 anos: ser treinador. Houve quem o levasse a sério, como Manuel Sérgio, e quem o mandasse ir ao Chelsea, sem dia nem hora marcada. José Mourinho, claro. E ele foi. Aos 15 já treinava uma equipa, antes dos 20 voou para Nova Deli, para dirigir um clube indiano. O irmão deu-lhe um conselho: integridade, acima de tudo. Agora, aos 22 anos é embaixador internacional da Aliança Global para a Integridade no Desporto e o mais jovem comentador desportivo de sempre da “Sport TV”. Pelo meio ainda faz voluntariado no Vale de Acór onde confirma uma sua certeza: o desporto resgata.

Francisco Guimarães acaba de entrar na galeria de “Imperdíveis”, o programa de Laurinda Alves na Rádio Observador, todos os domingos, às 11h. Entre outras histórias conta como, depois de uma pesada derrota, pôs a equipa que treinava a jogar Bubble Football em vez de castigar os jogadores, obrigando-os a subir escadas ou a correr. Estes gostaram, a direção do clube não.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.