Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

8 de novembro de 2016. Donald Trump é eleito o 45.º Presidente dos Estados Unidos. Um republicano que, para uns, é o oposto dos fundamentos da sociedade americana e, para outros, é o rosto da mudança, da chegada “a uma nova era democrática”. Ganhou e quer “tornar a América grande outra vez”. Em “O Método no Caos”, um livro editado pela Dom Quixote e à venda a partir do dia 11 de setembro, Tiago Moreira de Sá e Diana Soller propõem regressar ao início com uma análise ao contexto que permitiu a ascensão do homem que está à frente dos Estados Unidos, bem como identificar e descrever a sua política e estratégia externa.

O Observador faz a pré-publicação do primeiro capítulo do livro, onde os autores abordam o contexto, as origens e os valores do jacksonianismo populista, uma “expressão identitária por trás das posições políticas de Donald Trump”, inspirada em Andrew Jackson. É que, à semelhança do sétimo presidente norte-americano, Trump “apresenta-se como o campeão da classe trabalhadora e mais desfavorecida contra as elites de Washington e contra os imigrantes, que considera os principais responsáveis pelo declínio económico e o aumento da criminalidade dos Estados Unidos”.

O populismo jacksoniano: a América que ninguém quis ver

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.