Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Um estudo encomendado pela Brisa garante que a pedreira Cova da Feitosa, em Moimento (Fátima), não representa risco para a A1, apesar da proximidade excessiva entre a exploração e a autoestrada. A informação foi dada ao Observador na sequência da publicação de duas reportagens especiais sobre as pedreiras em situação crítica no país (aqui e aqui), que revelaram que a margem de segurança mínima entre a exploração e a autoestrada, definida por lei, não está a ser cumprida.

O estudo geotécnico em causa, a que o Observador teve acesso, foi concluído em junho e pretendia avaliar se a pedreira interferia com a via. O técnicos concluíram que não há risco para a circulação na A1, mas dizem que, mesmo assim, a pedreira deve ser tapada. A recomendação segue a mesma linha da Direção Geral de Energia e Geologia (DGEG) que, em fevereiro, ordenou ao proprietário da exploração que repusesse a zona de segurança, para garantir que o buraco fica a mais de 70 metros da via.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.