803kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Rehearsals For The Victory Day Parade Take Place In Moscow
i

Um total dos 83% dos inquiridos portugueses apresenta um posicionamento negativo sobre Moscovo

Getty Images

Um total dos 83% dos inquiridos portugueses apresenta um posicionamento negativo sobre Moscovo

Getty Images

Portugal é o segundo país do mundo com a visão mais negativa sobre a Rússia (nem na Ucrânia a opinião é tão má)

Um estudo revela que 83% dos inquiridos portugueses dão nota negativa a Moscovo — só na Polónia a imagem é pior. Portugueses também estão a favor das sanções e acham que se "fez pouco" pela Ucrânia.

    Índice

    Índice

Num universo de 53 países, Portugal é o que apresenta a segunda visão mais negativa sobre a Rússia, revela um estudo realizado pela organização Aliança das Democracias, em conjunto com a empresa de marketing Latana e que foi publicado esta segunda-feira. Um total de 83% dos inquiridos portugueses demonstram um posicionamento negativo face a Moscovo, sendo que neste parâmetro Portugal é apenas superado pela Polónia (87%) e está atrás da Ucrânia (80%).

Realizado entre 30 de março e 10 de maio deste ano — portanto, já após a invasão russa da Ucrânia —, o estudo mostra uma opinião negativa unânime em todos os países da Europa face à Rússia. Em média, 60% dos europeus não veem com bons olhos Moscovo.top 3 é composto por Polónia, Portugal e Ucrânia, havendo outros territórios com percentagens elevadas, tais como a Dinamarca (79%), a Irlanda (77%), a Suécia (77%) e Espanha (66%).

Em termos mundiais, a opinião sobre a Rússia também é globalmente negativa em todos os continentes. Na América do Norte, 71% dos canadianos, 70% dos norte-americanos revelam uma opinião negativa sobre o país transcontinental (no México, apenas 43% dos inquiridos alinham por essa opinião). Já na América Latina, 71% dos inquiridos brasileiros têm uma opinião desfavorável sobre a Rússia, assim como 58% dos chilenos, 55% dos argentinos e 51% dos venezuelanos — um dado relevante, neste último caso, tendo em conta o alinhamento do governo do Presidente Nicolás Maduro com o seu homólogo russo, Vladimir Putin.

Venezuela pede resolução da crise e condena sanções contra a Rússia

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Na Ásia, destaca-se o posicionamento da Coreia do Sul — 73% dos participantes no estudo admitem ter uma visão negativa sobre a Rússia — e do Japão (72%). Já no continente africano, o Quénia (55%), a África do Sul (49%) e a Nigéria (39%) têm uma imagem negativa da Rússia. Na Oceânia, o único país presente no estudo é a Austrália — e 67% dos inquiridos opinam desfavoravelmente sobre Moscovo.

Em sentido inverso, a Rússia ainda mantém uma imagem positiva em alguns países, principalmente na Ásia, conclui o trabalho da organização Aliança das Democracias. Na China, 59% dos inquiridos são favoráveis a Moscovo (contra 10% com uma opinião negativa). Seguem-se a Índia (56%), o Paquistão (48%), o Vietname (46%) e a Argélia (43%) com uma visão positiva russa.

Em Portugal, apenas 4% dos 1036 inquiridos demonstraram uma opinião positiva sobre a Rússia.

48% dos inquiridos portugueses a favor das sanções contra a Rússia

Outro indicador analisado no estudo é a opinião da população de 53 países no que concerne às relações económicas com a Rússia após a invasão à Ucrânia. Em Portugal, 48% dos inquiridos estão a favor da implementação das sanções, enquanto 21% se manifestam contra a aplicação destas medidas.

Tal como na opinião sobre o país, a Polónia continua a demonstrar uma forte oposição à Rússia, liderando o ranking dos países que mais apoiam uma política sancionatória contra Moscovo: 76% dos inquiridos apoiam um corte nas relações económicas com a Rússia, contra 8% que favorecem a sua manutenção. Na Ucrânia, 74% daqueles que participaram no estudo estão a favor das sanções, ao passo que 11% não as apoiam.

Num momento em que a União Europeia (UE) se prepara para aprovar o sexto pacote de sanções contra a Rússia, o estudo vem mostrar alguma discordância entre os Estados-membros. Se os inquiridos de países como a Polónia, a Dinamarca, a Suécia, a Irlanda ou a Alemanha se posicionam a favor do corte das relações económicas com a Rússia, há duas exceções no panorama europeu: a Grécia e a Hungria.

Não vai haver acordo sobre embargo ao petróleo russo na cimeira, afirma presidente da Comissão Europeia

Um total de 56% dos inquiridos gregos não são favoráveis a uma política sancionatória contra Moscovo, enquanto 22% apoiam-na. Na Hungria, os números são idênticos: 55% estão contra o corte das relações económicas com a Rússia, enquanto 24% são a favor — o que parece sustentar a opinião do Presidente húngaro, Viktor Orbán, que tem levantado vários obstáculos à implementação sexto pacote de sanções. Apesar de na parte económica destoarem dos restantes Estados-membros, os inquiridos dos dois países manifestam, ainda assim, uma visão desfavorável sobre a Rússia.

No resto do mundo, o Reino Unido, a Austrália e os Estados Unidos são os que mais apoiam as sanções contra a Rússia. Um total de 70% dos inquiridos britânicos, 63% dos australianos e 60% dos norte-americanos estão a favor do corte de relações económicas com a Rússia.

Por sua vez, a China continua a aparentar ser a maior aliada da Rússia neste momento — 71% dos inquiridos chineses estão a favor da manutenção das relações económicas e apenas 9% consideram que se deve aplicar sanções. Seguem-se a Indonésia (60%), o Vietname (56%) e a Argélia (48%) como países mais desfavoráveis a uma política sancionatória contra a Rússia.

Entre as 20 economias mais fortes do mundo (G20), há algumas que, segundo o estudo, não apoiam o isolamento económico da Rússia. Uma delas é, além da China, a Turquia (pertencente à NATO): 49% dos inquiridos são desfavoráveis às sanções, em comparação com os 23% que defendem o contrário. Também a Indonésia, a África do Sul e a Arábia Saudita têm um posicionamento pouco favorável à implementação de mais sanções.

Se, por um lado, têm uma opinião favorável sobre a Rússia, por outro lado, os inquiridos indianos mantêm um posicionamento ambíguo no que diz respeito às sanções — 44% defendem o corte económico, enquanto 35% estão contra.

52% dos portugueses consideram que “se fez pouco” para ajudar a Ucrânia

Relativamente à ajuda prestada a Kiev, na sequência da invasão russa, 52% dos inquiridos portugueses acreditam que a NATO, a UE e a Organização das Nações Unidas (ONU) fizeram “pouco” para auxiliar a Ucrânia. Em contrapartida, um total de 40% vêem como suficiente a ação das organizações internacionais, ao passo que 8% reconhecem que já se fez demais para ajudar o país.

Já na Ucrânia, 66% dos inquiridos consideram que o mundo não se empenhou como devia na proteção do país, ao passo que 28% acreditam que se fez o suficiente. Há, no entanto, um país em que prevalece uma opinião mais forte de que se fez “pouco” para a ajudar Kiev — e curiosamente não é europeu: o Chile. Um total de 70% dos chilenos insurgem-se contra a ajuda prestada à Ucrânia, sendo que somente 25% afirmam que o total de ajuda prestado à Ucrânia é satisfatório.

Também os inquiridos do Peru e da Argentina, dois países da América do Sul, revelam um ponto de vista parecido aos dos seus vizinhos chilenos — um total de 65% peruanos e argentinos admitem que a ajuda à Ucrânia é insuficiente, enquanto aproximadamente 30% são da opinião de que o auxílio prestado é satisfatório. Estas percentagens são idênticas àquelas reportadas no Brasil e na Venezuela.

Na Europa, o país cujos inquiridos mais reclamam sobre os apoios à Ucrânia é a Polónia. São 61% aqueles que dizem que a ajuda é pouca, contra 36% que defendem que é suficiente. Atrás da Polónia, no continente europeu, estão a Irlanda e Portugal.

Destaque ainda para Israel, que é o quinto país que considera que a ajuda à Ucrânia é insuficiente, bem como para os Estados Unidos. Apesar de 47% dos inquiridos serem da opinião de que os apoios a Kiev não são na escala desejável, 42% dos inquiridos norte-americanos consideram que já são suficientes. Há ainda 11% que referem que o auxílio prestado à Ucrânia é demasiado.

Por seu turno, a China é o país que mais expressa a opinião de que a ajuda prestada à Ucrânia é suficiente — 50% estão de acordo com a premissa, ao passo que 34% consideram que já se ajudou demasiado. Além disso, um total 16% dos inquiridos reconheceram ser “pouco” o apoio prestado aos ucranianos.

Na União Europeia, vários países também veem como satisfatório o apoio que já foi dado às autoridades ucranianas. Um total de 64% dos húngaros concedem esse posição, enquanto 18% consideram que a ajuda já é demasiada. Os inquiridos alemães (54%), franceses (52%) e austríacos (48%) também veem como satisfatório o auxílio que foi dado à Ucrânia.

Portugueses também têm uma visão negativa sobre a China

O estudo também averiguou se os inquiridos tinham uma opinião positiva sobre a China. Em Portugal, essa tendência verifica-se: um total dos 47% daqueles que responderam ao estudo têm um ponto de vista negativo sobre o país asiático, enquanto 16% têm uma visão positiva.

As opiniões estão, de resto, mais divididas em relação a Pequim que em relação a Moscovo. Em África, no Médio Oriente e na América Latina, as opiniões sobre a China são geralmente positivas. Três exemplos que ilustram a tendência: em Marrocos, 55% dos inquiridos veem com bons olhos a China, na Arábia Saudita essa percentagem é de 47%, enquanto no México é de 51%.

São os vizinhos marítimos da China que revelam uma maior animosidade relativamente ao país. Um total de 75% dos sul-coreanos e 65% dos japoneses têm uma visão negativa sobre Pequim. Grosso modo, os países europeus também não revelam uma opinião positiva sobre o país, principalmente a Suécia (57% de opiniões negativas), a Áustria (56%) e a Alemanha (55%).

Na América do Norte, as opiniões desfavoráveis sobre a China mantêm-se em linha com as que foram expressas em relação à Rússia. Numa altura em que as tensões entre Pequim e Washington se agravam, um total de 53% dos inquiridos norte-americanos tem uma visão negativa sobre o país, sendo que no Canadá a tendência é idêntica (52%).

E se a China invadisse Taiwan? Maioria dos portugueses apoiariam sanções

Na hipótese de a China invadir a ilha de Taiwan, à semelhança daquilo que o Kremlin fez na Ucrânia, a maioria dos países europeus estava disposta a aplicar uma política sancionatória a Pequim, indica o estudo. Portugal seria um deles: mais de metade (51%) dos inquiridos apoiaria aplicar sanções à China, contra 18% que se opunham.

Na Europa, são os inquiridos britânicos, dinamarqueses (60%) e suecos (54%) aqueles que mais alinhariam na ideia de aplicar sanções à China. Em sentido inverso, estariam três países da UE (que poderiam pôr em risco a unanimidade de Bruxelas no que diz respeito à possibilidade de Pequim ser sancionado). A Grécia e a Hungria são dos países do mundo que menos defendem a aplicação de sanções: 50% não consideram que se devesse ser levado a cabo um corte das relações económicas com a China, caso Taiwan fosse invadido. Também a Roménia se posiciona neste espetro: 35% estariam em desacordo com a política sancionatória, contra 31% que a apoiariam.

A Coreia do Sul e o Japão também estariam disponíveis para aplicar sanções, tendo em conta o resultado do estudo — apesar do forte impacto que isso teria nas respetivas economias. Um total de 49% dos inquiridos sul-coreanos e 56% dos inquiridos japoneses defendem o isolamento chinês, se Pequim invadir Taiwan.

Na visita à Ásia, Joe Biden afirmou que os EUA apoiaram militarmente Taiwan caso a China invadisse a ilha, aplicando também sanções económicas. A maioria dos inquiridos norte-americanos parecem concordar com a posição do Presidente norte-americano: 54% dos inquiridos defende o corte de relações económicas, contra 16% que preferiam mantê-las.

Sem “ambiguidade estratégica”, Joe Biden confirma que militares dos EUA defenderiam Taiwan se China atacasse

Em contrapartida, a Rússia seria o país que mais apoiaria a manutenção dos laços económicos com a China, se Pequim invadisse Taiwan. Apenas 7% dos inquiridos russos estariam de acordo com a aplicação de sanções, em comparação com os 60% que se posicionariam contra a medida.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Há 4 anos recusámos 90.568€ em apoio do Estado.
Em 2024, ano em que celebramos 10 anos de Observador, continuamos a preferir o seu apoio.
Em novas assinaturas e donativos desde 16 de maio
Apoiar

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Há 4 anos recusámos 90.568€ em apoio do Estado.
Em 2024, ano em que celebramos 10 anos de Observador, continuamos a preferir o seu apoio.
Em novas assinaturas e donativos desde 16 de maio
Apoiar
Junte-se ao Presidente da República e às personalidades do Clube dos 52 para uma celebração do 10º aniversário do Observador.
Receba um convite para este evento exclusivo, ao assinar um ano por 99€.
Limitado aos primeiros 100 lugares
Assinar agora Ver programa