Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Quando os escoceses foram às urnas na quinta-feira, no boletim de voto não estava a opção de votar a favor ou contra a independência da Escócia do Reino Unido. No entanto, ninguém tem dúvidas de que a possibilidade de um novo referendo foi a questão central destas legislativas escocesas, cujos primeiros resultados começaram a ser divulgados esta sexta-feira, sendo que os resultados finais, que permitem tirar conclusões ou pelo menos pistas sobre o futuro da relação entre Londres e Edimburgo, só vão mesmo ser conhecidos ao final do dia de sábado ou até no domingo.

Nestas eleições, está em jogo muito mais do que a eleição do próximo governo escocês ou dos 129 deputados do parlamento regional (o Holyrood). Se os independentistas conseguirem o bom resultado que anteciparam durante a campanha eleitoral, isto é, uma maioria de pelo menos 65 lugares, prometem convocar um referendo sobre a independência da Escócia até final de 2023, antevendo-se um embate com o governo de Boris Johnson, intransigente nesta matéria.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.