288kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica. Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Poupe na sua eletricidade com o MEO Energia. Simule aqui.

i

Rui Rio visitou esta segunda-feira a Santa Casa da Misericórdia de Arcos de Valdevez e a Santa Casa da Misericórdia de Ponte de Lima

ARMÉNIO BELO/LUSA

Rui Rio visitou esta segunda-feira a Santa Casa da Misericórdia de Arcos de Valdevez e a Santa Casa da Misericórdia de Ponte de Lima

ARMÉNIO BELO/LUSA

Rio criticou "teia" socialista do Alentejo, mas visitou dois lares controlados por militantes e autarcas do PSD /premium

Rio criticou a "teia" socialista no lar de Reguengos, mas visitou uma misericórdia com 9 militantes do PSD nos órgãos sociais, incluindo autarcas em funções, e outra liderada por militante histórico.

O PSD já tinha denunciado uma “teia” partidária no Alentejo quando, na última sexta-feira, Rui Rio criticou o facto de em Reguengos de Monsaraz “haver PS’s metidos em todo o lado”, acrescentando que “os PS’s estão na câmara, estão na misericórdia, nos lares, estão aqui, estão acolá” e que “não é normal que assim seja”. Esta segunda-feira, no auge da polémica com lares, o presidente do PSD decidiu visitar duas misericórdias no distrito de Viana do Castelo: a Santa Casa de Arcos de Valdevez e a Santa Casa de Ponte de Lima. Detalhe: ambas são geridas por militantes do PSD que são simultaneamente autarcas e que também têm ligações a outras entidades do concelho, como, por exemplo, os bombeiros. As teias partidárias, como a do PS no Alentejo, também existem noutras geografias — e, neste caso, mudam de cor.

Rio começou, às 15h, por visitar a Santa Casa da Misericórdia de Arcos de Valdevez. O provedor Francisco Araújo é, desde logo, o presidente da Assembleia Municipal de Arcos de Valdevez eleito pelas listas do PSD. Entre 2005 e 2013, Francisco Araújo acumulou mesmo o cargo de presidente da autarquia com o de provedor da Santa Casa da Misericórdia local. O PSD nacional, no comunicado de 16 de agosto sobre Reguengos de Monsaraz, dizia que “o facto de a presidência da administração da Fundação proprietária do Lar coincidir com a Presidência da Câmara Municipal revela a promiscuidade política que domina as relações institucionais naquele município“.

Mas o social-democrata Francisco Araújo, que teve como número dois da lista à Assembleia Municipal nas últimas autárquicas Emília Cerqueira — deputada que ficou conhecida por fazer log in por José Silvano no Parlamento — não é o único eleito do PSD nos órgãos sociais. No total, entre Mesa Administrativa, Conselho Fiscal e Assembleia Geral são pelo menos nove os militantes, autarcas ou dirigentes sociais-democratas que têm cargos na Santa Casa da Misericórdia de Arcos de Valdevez. O órgão que tem competência para fiscalizar Francisco Araújo (a Assembleia Geral) é presidida pelo atual presidente da câmara, João Manuel Esteves, que é também vice-presidente do PSD/Arcos de Valdevez e foi apoiante de Rui Rio nas últimas diretas.

João Manuel Esteves foi apoiante de Rui Rio nas últimas eleições diretas

Também o tesoureiro da concelhia do PSD local, Manuel Caldas de Brito é membro da Mesa Administrativa da Santa Casa local e é secretário da Assembleia Municipal. Aliás, a mesa da Assembleia Municipal de Arcos de Valdevez é composta por três pessoas: João Manuel Esteves (presidente), Manuel Caldas de Brito (1.º secretário) e ainda António Amorim Lima. Toda a Mesa da Assembleia Municipal faz assim parte dos órgãos sociais da Santa Casa de Arcos de Valdevez.

Ainda na Mesa da Santa Casa de Arcos de Valdevez está Francisco Conceição Mendes, que não só está com João Manuel Esteves e Manuel Caldas Brito na direção do PSD/Arcos de Valdevez, como é também presidente da junta de freguesia de São Paio e Giela eleito pelo PSD. Uma outra presidente da junta eleita pelo PSD, Susana Maria Melo Amorim (que dirige a freguesia de Padroso) é membro da Assembleia Geral da Santa Casa.

Manuel Caldas Rodrigues, antigo presidente da junta de freguesia de Rio de Moinhos eleito pelas listas do PSD, é membro da Mesa Administrativa da Santa Casa local e acumula, ao mesmo tempo, o cargo de vice-presidente da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Arcos de Valdevez. E quem é o presidente dos bombeiros? Um antigo chefe de gabinete de Francisco Araújo, Germano Amorim, também militante do PSD e que em 2012 foi despedido por SMS após perder as eleições para a concelhia (numa lista em que era candidato a vice-presidente) contra o então presidente de câmara.

O presidente do PSD, Rui Rio, discursa durante um encontro com as técnicas da Santa Casa da Misericórdia dos Arcos de Valdevez, para se inteirar do trabalho realizado pela instituição na prevenção e combate ao Covid-19 e quais os cuidados adotados para garantir a segurança dos utentes, colaboradores e familiares, Arcos de Valdevez, 24 de agosto de 2020. ARMÉNIO BELO/LUSA

Rui Rio discursa durante um encontro com as técnicas da Santa Casa da Misericórdia de Arcos de Valdevez

ARMÉNIO BELO/LUSA

O Conselho Fiscal da Santa Casa local para este quadriénio (2017-2020) integrava um antigo ministro da Defesa do PS no tempo de António Guterres, Júlio Castro Caldas (que morreu a 4 de janeiro), mas era uma figura vista como pluripartidária (uma vez que na I e II legislaturas foi eleito deputado nas listas do PSD) ou mesmo apartidária (já que foi também bastonário da Ordem dos Advogados). Mas o número dois do Conselho Fiscal da Santa Casa da Misericórdia é Hélder Barros, presidente da concelhia do PSD de Arcos de Valdevez e vice-presidente da autarquia. No mesmo órgão tem a companhia do presidente da junta de freguesia de Guilhadeses e Santar, eleito pelas listas do PSD, Eugénio Fernandes.

Há diferenças para a geometria partidária de Reguengos e do distrito de Évora. Desde logo porque a “teia” partidária socialista ia até ao Centro Distrital da Segurança Social e à ARS do Alentejo. Mas quando era o PSD que estava no poder, a configuração no distrito de Viana do Castelo também não andava longe da atual “teia” socialista. É que o presidente da ARS Norte durante o governo de coligação era Álvaro Santos Almeida, que mesmo sendo independente era próximo do PSD (foi mais tarde candidato à câmara do Porto e atualmente é deputado). O então presidente do Centro Distrital da Segurança Social era Paulo Órfão, militante do PSD, que quando o governo mudou para o PS foi demitido e teve de enfrentar um processo disciplinar.

Ponte de Lima: Santa Casa liderada por fundador do PSD local

E se Rui Rio visitou uma Santa Casa da Misericórdia “laranja” em Arcos de Valdevez, seguiu depois para outra Santa Casa da Misericórdia do distrito de Viana do Castelo não menos “alaranjada”: a de Ponte de Lima. O provedor da instituição é Alípio de Matos , um histórico social-democrata a nível local que ajudou a fundar o PSD em Ponte de Lima em 1974. Alípio de Matos ocupou também diversos cargos como eleito do partido, que vão desde presidente da assembleia de freguesia de Arcozelo até vereador da câmara municipal de Ponte de Lima, passando pela Assembleia Municipal, onde esteve durante vários anos.

O que disse Rui Rio durante a visita (e as indiretas a Costa)

Mostrar Esconder

Rui Rio justificou a ida a estes dois lares com o argumento de que pretende que aquilo que “correu muito mal em Reguengos (…) sirva para, pelo menos, dar uma maior visibilidade aos lares e acima de tudo àquilo que são as carências que têm”. O presidente do PSD diz que  ouviu “muitas ideias que são francamente aproveitáveis, que são relativamente simples e que melhoram o trabalho que as IPSS têm feito e salvaguardam ainda melhor a saúde dos utentes”. E deu um exemplo:”Em vez de serem os utentes a deslocarem-se ao centro de saúde, realmente é mais  prático os médicos dos centros de saúde deslocarem-se onde há dezenas e dezenas de utentes.” Esta medida, acrescenta, “parece eficaz”, mas depende de um “melhor  entrosamento entre Ministério da Segurança Social e Ministério da Saúde.

Rui Rio disse ainda, numa crítica velada ao governo, que “não devia haver confusão” sobre o que se passou no lar de Reguengos  e que “não há ninguém no país que tenha percebido o que se passou e de quem é a responsabilidade.” Relativamente ao relatório dos médicos, que o primeiro-ministro desconsiderou, Rui Rio destaca que” pode não ser oficial, mas é um relatório de que tomámos conhecimento e devemos atender a isso”.

Sobre o vídeo de uma gravação em off onde que o primeiro-ministro chama “cobardes” aos médicos que se terão recusado a prestar serviços de saúde no lar de Reguengos de Monsaraz, Rui Rio não quis fazer qualquer comentário: “Há princípios éticos que eu não passo e não comento, pura e simplesmente”. Mas, além de valorizar o relatório da Ordem dos Médicos — ao contrário do que fez o primeiro-ministro –, o líder da oposição fez ainda um elogio aos profissionais de saúde e lembrou que a “sociedade agradeceu-lhes há dois meses”, mas “tem de estar continuamente grata”. Isto, acrescentou Rui Rio, “independentemente de ter havido um ou outro [médico] que não tenha cumprido o seu papel”.

O secretário da Mesa da Santa Casa local, Adelino Barros de Morais também foi deputado municipal do PSD em Ponte de Lima entre 2005 e 2009. No mesmo órgão tem a companhia de Ricardo Salgado Vieira, que é atualmente deputado municipal do PSD e presidente da Mesa de Assembleia de secção do PSD de Ponte de Lima.

E Ponte de Lima é um concelho que sempre foi CDS. Na história da política portuguesa, o município é várias vezes associado ao chamado “Orçamento do Queijo Limiano”, quando o então deputado e ex-autarca Daniel Campelo deu o seu voto favorável ao orçamento do governo de António Guterres contra a vontade da direção nacional do CDS, exigindo em troca melhores condições para a região. Não é por isso de estranhar que, embora em menor número do que o PSD, haja membros do CDS na Santa Casa local. Na Mesa Administrativa está Manuel Lima Cerqueira e na Assembleia Geral João Costa de Távora, antigo deputado municipal pelo CDS.

Recomendamos

A página está a demorar muito tempo.