Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Na imprensa vem descrito como “um dos homens de Isabel dos Santos” na administração da Efacec. Ângelo Ramalho, administrador-executivo da Efacec, de 56 anos, recusa o apodo. Diz-se “um homem da Efacec”. Só. Mas reconhece que a empresa tem dois momentos definidores: a entrada da filha do ex-presidente angolano no capital da empresa portuguesa (onde ainda detém mais de 67%, agora à venda) e dezembro do ano passado, com o rebentar do escândalo Luanda Leaks.

Desde que o caso foi noticiado que os bancos – muitos deles credores de Isabel dos Santos – montaram “um bloqueio em permanência” à Efacec. “Não temos nem linhas de financiamento nem a trade finance [as garantias bancárias essenciais na vida de uma empresa de projetos] necessária ao desenvolvimento das nossas operações”. Por isso não há tempo a perder: é essencial resolver a crise acionista, com a concretização – e rápida – da saída de Isabel dos Santos. Tudo se resolve a partir daí.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.