Rádio Observador

Igreja Católica

A (homo)sexualidade na Igreja Católica

Autor
  • Donizete Rodrigues

Segundo a doutrina, o celibato não é um dogma de fé, uma verdade absoluta, inquestionável, mas apenas uma disciplina, uma regra de vida. Por isso, o Papa Francisco fala na possibilidade de uma revisão

O Papa Francisco, agora com o lançamento do livro “A Força da Vocação”, está sempre a surpreender-nos, pela positiva, na minha opinião. É um líder popular, com uma visão mais progressista, que tem tentado trazer um pouco de ar fresco, de modernidade, para o interior da bafienta Igreja Católica, na sua relação com os seus fiéis, mas também com outras instituições civis e religiosas. Digamos que não tem sido fácil lutar contra os poderosos grupos de interesse dentro do Vaticano/Santa Sé, incluindo, segundo disse o próprio Papa, o ‘lóbi gay’.

Na relação da Igreja católica com a sociedade, a questão do sexo e da sexualidade – que são duas coisas distintas – suscita com frequência muita discussão e polémica. Historicamente conservadora, nunca lidou muito bem com este tema e, mais do que isso, apresenta muitas contradições — os mais críticos falam mesmo de hipocrisia. Embora resumidamente, vejamos algumas ideias sobre a Igreja Católica e a sexualidade — não só a de seus membros, mas também dos demais.

Em primeiro lugar, gostaria de chamar à atenção para três conceitos que são importantíssimos nesta discussão: celibato, abstinência sexual e pedofilia.

De acordo com a regra do celibato, os clérigos católicos não devem contrair matrimónio e, consequentemente, ter nenhum tipo de comportamento sexual. Porém, nem sempre foi assim: na Idade Média, o matrimónio era permitido, houve, inclusivamente, papas casados. Segundo a doutrina, o celibato não é um dogma de fé, uma verdade absoluta, inquestionável, mas, apenas, uma disciplina, uma regra de vida, mesmo que ainda obrigatória. Por isso, o Papa Francisco fala na possibilidade de uma revisão e até na suspensão do celibato sacerdotal.

O celibato e abstinência sexual (a não prática do sexo) são dois comportamentos que deveriam caminhar lado a lado, o que, na prática, não acontece. A ideia é a seguinte: apesar de a Igreja impor o celibato, muitos dos seus membros, maioritariamente os homens, não praticam a abstinência e são sexualmente tão criativos como os laicos. Falarei da pedofilia mais à frente.

Na sua relação com a sociedade, ou seja, quando (tenta) regular o corpo e a vida sexual dos outros, a liderança católica defende uma moralidade onde só cabe a heterossexualidade – a homossexualidade é considerada pecado. A lógica que defende é: o que é natural é moral, o que não é natural é imoral perante Deus. Não sendo ‘normal’ o sexo entre homem-homem e mulher-mulher, no caso de duas pessoas adultas, casadas e de sexo diferente, para a Igreja Católica, valerá tudo, ou seja, tudo é normal e permitido?

Quanto à (con)vivência do clero com os seus fiéis, há, historicamente, muitos casos de envolvimentos sexuais de padres com mulheres, quase sempre casadas e  resultando muitas vezes em filhos; mas, também, com homens, portanto, uma prática (homo)sexual altamente condenável pela doutrina moral católica.

Outra questão importante é o que acontece no interior da Igreja, entre os seus pares e dentro dos seus muros – seminários, colégios internos, casas paroquiais, sacristias, etc. Neste caso, acontecem dois tipos de comportamentos sexuais: relacionamentos hetero e homossexuais entre adultos – até aí aceitável, porque são adultos e conscientes – e a imoral e criminosa pedofilia, envolvendo crianças sob a sua tutela/proteção e formação.

Falemos agora do terceiro conceito: o que é pedofilia? A pedofilia não é, como muitos pensam, meramente uma vontade, um comportamento sexual desviante – é uma doença. Pedófilos são pessoas adultas, homens (maioria) e mulheres, com preferência/fixação sexual por crianças – as que ainda não atingiram a puberdade – do mesmo sexo ou de sexo diferente do(a) agressor(a). De acordo com a Organização Mundial de Saúde, a pedofilia é um transtorno psicológico, no entanto, do ponto de vista jurídico é um ato criminoso e punível por lei.

Há uma ideia generalizada e totalmente errada em associar pedofilia com os gays. É importante realçar que pedofilia não tem uma relação direta com a homossexualidade; ao contrário, conforme confirmam os dados estatísticos, a pedofilia acontece mais no universo hetero do que homo e quase sempre no contexto familiar e de vizinhança.

Portanto, na Igreja Católica, constituída por homens e mulheres, de carne (fraca) e osso, bio-fisio-sexualmente ativos, há todos os tipos de comportamento sexuais: há hetero, homo e também pedófilos, como constantemente vem a público os casos praticados por clérigos católicos em vários países do mundo. Enquanto as diferentes práticas sexuais ocorrerem entre os seus pares adultos e intramuros, embora imoral, nada atinge ou prejudica diretamente a sociedade. Outra coisa completamente diferente (e grave) é a pedofilia praticada pelos clérigos. Neste caso, a investigação, julgamento e condenação devem ser feitos por tribunais civis, independentes, e não ficar circunscritos ao interior da Igreja Católica, diretamente interessada em encobrir estes crimes – pelo menos era isso que acontecia até a chegada do Papa Francisco.

Professor de Sociologia da Universidade da Beira Interior

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Religião

O Dia Mundial da Religião

Donizete Rodrigues
180

O Dia Mundial da Religião é um momento ecuménico para promover a convivência, o interconhecimento e o diálogo inter-religioso, buscando um futuro livre de preconceito, discriminação e intolerância.

Cristianismo

O natal, os três reis magos e outras fantasias

Donizete Rodrigues
144

O mito dos três reis magos é apenas uma representação simbólica, um modelo explicativo de grande significado para reforçar a importância de Jesus como salvador e unificador de toda a humanidade

Tradição

Desculpe estragar a festa, mas o Natal não existe

Donizete Rodrigues
9.178

O Papa Gregório XIII, no século XVI, com a criação do calendário gregoriano, fez o resto. A partir daí, o nascimento de Cristo (de que ninguém sabe a data exata) começa a ser celebrado pelos cristãos.

Vaticano

Portugal já ganhou o penta! /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
122

Daí a necessidade e urgência de escutar as sábias palavras do Cardeal D. José Tolentino: “O que o Senhor repete é: ‘Lembra-te do perdão!’ É como perdoados e perdoadores que somos chamados a viver”.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)