Cristianismo

O natal, os três reis magos e outras fantasias religiosas

Autor
  • Donizete Rodrigues
144

O mito dos três reis magos é apenas uma representação simbólica, um modelo explicativo de grande significado para reforçar a importância de Jesus como salvador e unificador de toda a humanidade

Conforme referi no livro Os Filhos de Adão e Eva (Edições Asa, 2000), desde os primórdios, uma das preocupações fundamentais da humanidade foi a procura das suas origens. Resumidamente, há 2.2 milhões de anos surgiu o género Homo e há cerca de 400 mil anos a espécie Homo sapiens. Com as primeiras sociedades humanas foram criados os mitos, narrativas orais para explicar o mundo. Somente há cerca de 6 mil anos atrás, com as civilizações, com o politeísmo e a escrita, surgiram as fontes históricas que, assim como os mitos, tinham um carácter marcadamente religioso.

No nosso contexto monoteísta judaico, o documento primordial é o Antigo Testamento (Bíblia hebraica), escrito, provavelmente, no século II a. C. Para além de uma narrativa de fé, é uma importantíssima fonte histórica, teológica e antropológica. No seu primeiro capítulo (Génesis), para além da explicação divina da criação do mundo, é apresentado o mito de Adão e Eva, um modelo metafórico da origem da humanidade. Da extensa genealogia apresentada (atenção sempre ao número 3), podemos resumir e realçar as seguintes etapas: de Adão e Eva, nasceram Caim, Abel e Seth. Caim matou Abel e Seth gerou descendentes até chegar a Noé. De Noé nasceram três filhos, Sem, Cam e Jafé.

Que leitura antropológica podemos fazer desta genealogia? Pode ser considerada como um modelo explicativo dos três principais grupos raciais: dos três descendentes de Noé, os filhos de Cam (camitas) seriam os negros, os de Sem (semitas) abrangeriam os asiáticos-amarelos e os povos do Oriente Médio-morenos e de Jafé os arianos-brancos. Porém, é de Sem(itas) que sairá a linhagem até chegar à Abraão, patriarca fundador das três religiões monoteístas: judaísmo, cristianismo e islamismo (que surgiu somente no século VII).

De acordo com o Evangelho de Mateus (Novo Testamento), parte da Bíblia cristã, a genealogia judaica até Jesus pode ser resumida da seguinte maneira: Abraão-Isaque-Jacó (Israel)-Judá (12 irmãos representando as 12 tribos de Israel, dentre elas a de Levi, que teve como ilustre descendente Moisés)-rei Davi-Salomão-Jacó-José-Jesus. É um facto que Jesus nasceu em Belém da Judeia, durante o reinado de Herodes, mas pensar que foi no dia 25 de dezembro e há 2018 anos atrás e que ele era branco (de olhos azuis) e pobre é um erro crasso. E há ainda outras insipiências graves: José, seu pai, não era um pobre carpinteiro, Maria não era virgem e Jesus provavelmente não nasceu num estábulo e colocado numa manjedoura. Como vimos na genealogia apresentada, Jesus era semita-moreno (cabelo preto e de pele acastanhada ou mesmo escura) e descendente de uma linhagem de pessoas importantes, de príncipes e reis.

Agora que se aproxima o Dia de Reis (06 de janeiro), falemos um pouco sobre a suposta visita dos três reis magos, que foram guiados por uma estrela até ao local de nascimento de Jesus. Sendo uma festa católica popular, não deixem de comemorar/festejar este dia, ‘cantar as janeiras’, etc. Mas, segundo o Evangelho de Lucas, quem visitou o menino Jesus não foram reis magos (na verdade, sacerdotes-conselheiros), mas, sim, pastores de ovelhas. Portanto, é uma narrativa mitológica/metafórica, os três reis magos nunca existiram historicamente. A referência destas personagens só aparece no século VII, no contexto do imaginário cristão medieval.

Então, e os tais restos mortais que estão sepultados na Alemanha? De quem são não sei responder, provavelmente de pessoas comuns. A narrativa criada pela Igreja Católica para explicar isso é mirabolante: as relíquias dos três reis magos foram removidas pela mãe do imperador Constantino, Helena, da Índia (onde supostamente os reis magos morreram) para a Turquia (Constantinopla/Istambul), posteriormente levadas para a Itália (Milão) e, finalmente, depositadas na Catedral de Colónia.

Na verdade, do ponto de vista antropológico, os três reis magos retratam, simbolicamente, os três grupos raciais representados pelos filhos de Noé: o camita-negro Baltazar, que ofereceu a mirra, símbolo do sofrimento – e não foram os negros o grupo que mais sofreu (e ainda sofre) na história da humanidade?; o semita-moreno Gaspar, que ofereceu incenso, símbolo da divindade, e o filho de Jafé, o branco Belchior, que ofereceu ouro, símbolo da realeza de Jesus.

Portanto, o mito dos três reis magos é apenas uma representação simbólica, um modelo explicativo de grande significado para reforçar a importância de Jesus como salvador e unificador de toda a humanidade, de todos os grupos humanos, de todos os povos. Mas só por isso não vale a pena celebrar o Natal e o Dia de Reis?

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Religião

O Dia Mundial da Religião

Donizete Rodrigues
180

O Dia Mundial da Religião é um momento ecuménico para promover a convivência, o interconhecimento e o diálogo inter-religioso, buscando um futuro livre de preconceito, discriminação e intolerância.

Tradição

Desculpe estragar a festa, mas o Natal não existe

Donizete Rodrigues
9.178

O Papa Gregório XIII, no século XVI, com a criação do calendário gregoriano, fez o resto. A partir daí, o nascimento de Cristo (de que ninguém sabe a data exata) começa a ser celebrado pelos cristãos.

Igreja Católica

A (homo)sexualidade na Igreja Católica

Donizete Rodrigues

Segundo a doutrina, o celibato não é um dogma de fé, uma verdade absoluta, inquestionável, mas apenas uma disciplina, uma regra de vida. Por isso, o Papa Francisco fala na possibilidade de uma revisão

Civilização

A Europa e a cultura do repúdio

Pedro Morais Vaz
140

A maior ameaça ao futuro da Europa reside no que Roger Scruton apelidou de “cultura do repúdio” e que se propõe repudiar tudo o que encara como tipicamente “nosso” para que ninguém se sinta "excluído"

Terrorismo

Cristianofobia: um novo holocausto? /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
5.417

Em 2018, foram mortos 4.305 fiéis e detidos 3.125 cristãos;1.847 igrejas e edifícios cristãos foram destruídos, incendiados ou vandalizados por ódio à fé em Cristo.

Cristianismo

Nos portais do mistério, com Charles Péguy

Jaime Nogueira Pinto
249

De maioria que éramos, dominante e governante, e por isso até arrogante, nós cristãos, na Europa e no mundo, estamos a ficar minoria e voltámos a ser perseguidos, alvo de atentados, de discriminações.

Páscoa

Quaresma introspetiva!...

Nuno Pires

A celebração da Páscoa deve ser potenciadora de uma renovação que marque, dure e perdure, baseada na humildade sem subserviência, na voluntariedade com coerência e na urbanidade sem formalidade.

Páscoa

Judas Iscariotes reabilitado /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
475

Apesar da traição, Judas Iscariotes provavelmente arrependeu-se e salvou-se: onde há contrição e esperança, a misericórdia não pode faltar!

Cristianismo

Para que na Quaresma não fiquemos na mesma

Filipe Samuel Nunes

Hipátia ensina diferente. A Quaresma não tem apenas a ver com deixer de comer chocolate ou deixer de ingerir álcool por 40 dias. Quaresma tem tudo a ver com a minha peregrinação Cristã.

Eleições Europeias

Não há eleições europeias /premium

João Marques de Almeida

O parlamento europeu serve sobretudo para reforçar o poder dos grandes países, cujos partidos dominam os grupos políticos e, principalmente, as comissões parlamentares se fazem as emendas legislativas

Política

O caso Berardo e o regresso a Auschwitz

Luís Filipe Torgal

A psicologia de massas, manipulada pelos novos cénicos «chefes providenciais», vai transfigurando a história em mito, crendo num «admirável mundo novo», depreciando a democracia, diabolizando a Europa

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)