Rádio Observador

Futebol

A propaganda benfiquista e o anti-portismo /premium

Autor
4.365

Lembram-se da estratégia de comunicação dos governos socialistas de Sócrates para intimidar os seus adversários? O Benfica de Luís Filipe Vieira segue a mesma estratégia.

Há dois pontos indiscutíveis no futebol português. É óbvio que o Benfica é o clube com mais adeptos. Sendo assim, não é difícil concluir que na maioria das profissões associadas ao futebol, a maioria também será benfiquista. Por exemplo, a maioria dos jornalistas desportivos é seguramente adepta do Benfica. Também não há qualquer dúvida que nenhum benfiquista perdoa ao Porto ter acabado com a hegemonia do Benfica no futebol português. No futebol, os benfiquistas são todos saudosistas do Estado Novo. O tempo em que ganhavam quase sempre, o Sporting de vez em quando, e o Porto quase nunca. Eis o sonho de todos os benfiquistas: o regresso às décadas de 1960 e de 1970.

O início da nova época permitiu aos benfiquistas sonharem. Um sonho que resultou do entusiasmo pela vitória no ultimo campeonato, com a qual já não contavam (mas que mereceram, como já escrevi aqui), e dos 5-0 ao Sporting na final da supertaça. De repente, tudo parecia possível para o planeta benfiquista. Em Agosto, os benfiquistas já se viam campeões (normalmente é em Maio que se decide o campeonato), e ganhariam ao Porto, pelo menos, por 3-0. E esta era a opinião dos adeptos mais modestos. A maioria estava certo de que seria uma goleada, por uns 4 ou 5 a zero.

Os meses entre o fim do último campeonato e o jogo do passado fim de semana entre o Benfica e o Porto foram uma manifestação brutal da propaganda benfiquista. Não era apenas o campeonato que já estava ganho, o Benfica também iria mostrar finalmente a toda a Europa que pode ganhar uma Champions. Bruno Lage já era melhor do que Mourinho. E até os jovens da formação eram todos como João Félix.

A maioria dos meios de comunicação social alimenta esta propaganda. Desde a Bola e o Record até às televisões, o apoio ao Benfica é indesmentível. Eu aluguei a Benfica TV para ver o Benfica-Porto, e posso dizer que a diferença, em termos de apoio ao Benfica, em relação à Sport TV não é muito grande. A propaganda benfiquista é o resultado de uma estratégia do clube desde que contratou o mesmo director de comunicação que trabalhou para o governo de Sócrates. Lembram-se da estratégia de comunicação dos governos socialistas de Sócrates para intimidar os seus adversários? O Benfica de Luís Filipe Vieira segue a mesma estratégia. A propaganda benfiquista tentou, ainda antes do início do campeonato, criar um facto consumado, “o Benfica será inevitavelmente campeão”, para intimidar os seus adversários. Tal como nos tempos de Sócrates, no caso com o PS, quem se mete com o Benfica leva.

O anti-portismo é o outro elemento central da propaganda benfiquista. Os mesmos jornalistas que louvam a “liderança” de Luís Filipe Vieira passam atestados de óbito a Pinto da Costa, o dirigente com mais títulos na história do futebol europeu. Quanto aos treinadores, seria apenas uma questão de tempo até Sérgio Conceição ser despedido. No caso dos jogadores, os que chegam ao Benfica são apontados como as novas vedetas, enquanto os do Porto são as últimas escolhas que mais ninguém quis. E esta propaganda repete-se diariamente em todos os canais de televisão. Há mesmo um jornalista, Rui Santos, que goza de tempo de antena na SIC Notícias, duas vezes por semana, com um único propósito: atacar Pinto da Costa e o Porto.

Ainda em relação ao anti-portismo, assisti a um episódio que não resisto a contar. No dia da primeira mão da pré-eliminatória entre o Porto e o Krasnodar, eu viajava para Londres e assisti à segunda parte do jogo no lounge da TAP. A maioria dos empregados estava concentrada no mesmo bar do lounge a ver o jogo e a torcer pelo Krasnodar contra o Porto. O aeroporto de Lisboa devia ter vergonha pelos seus funcionários, durante o horário de trabalho num aeroporto português e a trabalhar para uma companhia de aviação portuguesa, apoiarem um clube russo contra um clube português, e não esconderem esse apoio.

Todos os portistas sabem que o FC Porto é o clube mais odiado e atacado em Portugal. A maioria dos portugueses detesta o Porto. Nós sabemos viver com isso e, de certo modo, será preocupante se um dia deixar de ser assim. Mas o futebol é mágico e um jogo quase perfeito do Porto na Luz vale mais do que muita propaganda e do que os sonhos de milhões de benfiquistas.

Há outra coisa que todos os portistas sabem, melhor ou pior, ganhando ou perdendo, o Porto luta sempre até ao fim. Sabemos que não somos campeões em Agosto e que o campeonato só se decide em Maio. Como sempre, o Benfica será um adversário muito forte, tal como o Sporting. Mas também não aceitamos campeões por encomenda. Como se viu na semana passada na Luz. E isso, garanto-vos, dá um gozo enorme a todos os portistas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Brexit

Pode haver acordo em Bruxelas /premium

João Marques de Almeida

O Brexit já acabou com dois líderes conservadores. Desconfio que também acabará com um líder trabalhista. A Europa não divide apenas os conservadores. Também divide, e muito, os trabalhistas.

Eleições

A grande vitória de Passos Coelho /premium

João Marques de Almeida
841

Costa e o PS não mudaram porque descobriram de repente as virtudes do controlo da despesa pública. Mudaram porque os portugueses os forçaram a mudar e perceberam-no quando perderam as eleições de 2015

PS

Democracia de um só partido /premium

João Marques de Almeida
376

O PS quer estar sempre no poder, sendo o partido do Estado, e se possível sempre no governo, umas vezes com o apoio das esquerdas radicais, outras com a ajuda do PSD. Eis o favor que Rio fez a Costa.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)