Rádio Observador

Investimento público

A tragédia de Pedro Marques

Autor
374

Com um quadro Centeno confessou inadvertidamente como foi um dos principais responsáveis pelo desastre de atuação de Pedro Marques, sendo que este também não foi capaz de aplicar os fundos de Bruxelas

O candidato cabeça de lista do PS às Europeias é um claro erro de casting. Trata os debates eleitorais como as suas idas ao parlamento quando era ministro: vem com uma cassete para passar mensagens gastas e com um casse-tête para atacar os adversários. Para além disso não aparenta ter qualquer ideia do que vai fazer a Bruxelas. O programa que Pedro Marques apresentou tem duas partes. Uma é um conjunto de medidas que o Parlamento Europeu já está a discutir ou que até já foram aprovadas, como é o caso do programa de investimento europeu que já existe e se chama InvestEU. A outra é uma cópia do programa do Partido Socialista Europeu, ignorando que as prioridades portuguesas não são as mesmas dos países que estão no coração da Europa.

O Primeiro Ministro lá vai tentando apoiar aparecendo ao lado do candidato, mas às vezes os tiros vêm mesmo do lado do PS. Esta semana, foi do lado das Finanças. Tudo isto porque o ministro Centeno começou a legislatura a tentar fazer a quadratura do círculo, isto é, a prometer que ia virar a página de austeridade e ter contas certas, e está a acabá-la a fazer a circulatura do quadrado, fingindo que não é verdade o que entra pelos olhos de todos adentro: que os portugueses nunca pagaram tantos impostos para terem níveis de investimento diminutos e serviços públicos arrasados.

Para esta tarefa impossível, o ministro convoca a sua capacidade criativa para ir buscar indicadores parciais e mais ou menos obscuros tentando provar qualquer coisa que lhe seja favorável. Mas nesse afã vai dando tiros nos pés.  Esta semana o Ministério das Finanças divulgou uma nota que decompõe o investimento público por tipo de financiamento: nacional, isto é, Orçamento do Estado, e fundos europeus. O objetivo é mostrar que o esforço do Governo, através do Orçamento do Estado está a aumentar.

Tudo isso é certo. Mas o gráfico também evidencia que as cativações históricas do Ministro das Finanças arrasaram o investimento público em 2016. Isso é a grande explicação para o facto de o investimento público em euros em 2018 continuar abaixo do nível de 2015. Mostra ainda que a execução dos fundos europeus para investimento público está muito abaixo dos níveis do anterior Governo.

Fontes: Ministério das Finanças e cálculos próprios para alternativa de 2018 (última coluna)

Ronald Coase dizia que se torturarmos os dados durante tempo suficiente eles confessam. E de facto, de uma pincelada só, o ministro Centeno com este gráfico inadvertidamente confessa que com as suas cativações recorde no princípio do mandato ele foi um dos principais responsáveis pelo desastre de atuação de Pedro Marques enquanto ministro das infraestruturas. Por outro lado, foi incapaz de sequer de executar os fundos que vêm de Bruxelas.

O ex-ministro Pedro Marques, por si só, já é claramente um elemento desfavorável para a campanha do PS às Europeias. É desnecessário ter ainda um camarada a desferir-lhe mais golpes.

Deputada do PSD

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições

O país que temos e o país que queremos

Inês Domingos
601

Um dos maiores falhanços do Governo foi ter olhado para um país que começava um caminho de sustentabilidade e ter revertido as medidas que procuravam transformá-lo num país de oportunidades para todos

Governo

Prioridades

Salvador Furtado
376

Nunca visitei uma prisão nem Pedrogão. Mas da última vez que vi imagens de Pedrogão a situação continuava a ser critica. Mas da última vez que vi vídeos de uma prisão, havia telemóveis e bolos de anos

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)