Eutanásia

A vida é para viver

Autor
  • Rita Fontoura
143

Então afinal o que queremos? Uma sociedade sem idosos, sem deficientes e sem acamados? Será a nova forma de apuramento da raça? Que motivação estará por trás de tudo isto?

Antigamente, mas não há tanto tempo assim, identificava-se um certo grupo de pessoas como os anormais: eram os coxos, os cegos, os manetas, os mongolóides, etc. A evolução dos tempos trouxe um olhar diferente sobre estas pessoas e foi imposta, para garantir uma postura de respeito, uma nova linguagem. Passámos a ter o grupo dos deficientes: invisuais, pessoas com mobilidade condicionada, pessoas com trissomia 21. Pensávamos ter assim aperfeiçoado o nosso olhar sobre os outros. Acontece que quando se mudam palavras e não se mudam corações, a mudança é vã e foi o que aconteceu. Hoje todos aqueles que nasceram com alguma das deficiências que referi, se tivessem sido escrutinados numa ecografia, podiam ter sido eliminados antes de terem posto os olhos no mundo.

Também há muito tempo atrás se morria de velho ou de “um ar que lhe deu”. Então a ciência procurou saber mais sobre a velhice e até passou a chamar aos velhos idosos ou grupo da idade de ouro. Descobriram-se muitas causas de morte que passaram a ser atempadamente tratadas e com isto conquistou-se longevidade e qualidade de vida. Infelizmente talvez a motivação tenha sido a curiosidade própria dos investigadores, desassociada do desejo de amar o próximo. O que é certo é que agora que finalmente temos tantos tratamentos, que descobrimos forma de dar uma vida digna aos mais velhos, vem a sociedade propor uma “morte digna” para esses que beneficiam da longevidade que a ciência lhes proporcionou. Ora a morte é uma condição do nosso corpo, já a vida sim pode e deve ser digna.

Temos ainda aqueles casos que todos conhecemos de pessoas que na força da vida, por causa de um desastre, ficaram agarradas a uma cama ou a uma cadeira de rodas. Para esses também a ciência tem trazido grandes surpresas e muitos são os casos daqueles que já nada esperavam do seu corpo mas que afinal voltaram a andar. A avaliar pelo avanço galopante da ciência, já não podemos dizer que não será possível aquilo que hoje é até impensável. Portanto, para todos esses casos, já existem boas razões para ter esperança. Mais uma vez, quando chegamos ao patamar da esperança, vem a sociedade propor aos que antes desesperavam, que desistam, que escolham morrer antes de chegar a sua cura!

Então afinal o que queremos? Uma sociedade sem idosos, sem deficientes e sem acamados? Será a nova forma de apuramento da raça? Que motivação estará por trás de tudo isto?

Tudo o que fazemos seja na área científica, da indústria, da tecnologia, ou das ciências sociais deve ter um único propósito: o amor ao próximo. Se o que fazemos não promove a sociedade em que vivemos, então mais tarde ou mais cedo, voltar-se-á contra nós.

As recentes notícias sobre os projectos de lei favoráveis à Eutanásia são um exemplo do que acabo de explicar. Cada vez mais somos sedentos de viver, de bem-estar e de emoções. Por essa razão perdemos até um pouco o sentido de família porque a família dá trabalho e muitos optam por relações efémeras que não tragam consigo obrigações para a vida. E como responde o estado a toda a nossa eforia de viver? Com soluções para morrermos!

No programa prós e contras de dia 9 os que defendiam o direito a ser morto diziam que isso era a defesa da liberdade individual. No âmbito da vida, devemos garantir que somos livres para fazer escolhas na nossa vida e ainda assim não podemos fazer qualquer escolha. A sociedade tem regras de respeito uns pelos outros e de deveres uns para com os outros. Dizer às pessoas que em determinadas circunstâncias podem ser mortas por outras a seu pedido, não é garantir a sua liberdade mas sim condicioná-la. É colocar no prato da balança uma opção que condiciona quem possa pensar que é um fardo para os outros, é compactuar com o desespero do doente em vez de lhe transmitir uma mensagem de esperança. Se é certo que as pessoas em causa já têm uma sentença de morte, isso não as distingue das outras já que todos nós vamos morrer. A diferença é que para os “eutanasiáveis” a data provável da morte é conhecida e próxima. Então quando a data é conhecida e próxima já não há lugar à felicidade? Quem pode afirmar tal aberração

Não nos deixemos ir nesta conversa. A Vida é para Viver!

Nota: foi recentemente disponibilizado um site muito esclarecedor sobre este tema que a todos aconselho: Toda a Vida tem Dignidade.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Abusos na Igreja

A Igreja falhou, falha e falhará

Rita Fontoura
489

Tenho muito tristeza pela responsabilidade que me cabe. Para quem não é crente explico: a desolação que sinto é como se um filho meu tivesse abusado de menores, feito o que se diz dos padres acusados.

Família

Nasceu-me um neto, o primeiro

Rita Fontoura
178

Não é já evidente que os portugueses querem ser pais, constituir e cuidar das suas famílias, mas que lhes falta coragem por sentirem que o seu desejo não é acolhido com políticas adequadas? 

Governo

Pode alguém pedir que se aja com escrúpulos?

Rita Fontoura
1.528

A falta de escrúpulos está a destruir o nosso país. Fomos enganados e estamos a ser enganados. É algo que não salta à vista e por isso engana, o que não espanta já que quem nos governa teve bom mestre

Bloco de Esquerda

A impureza de Pureza /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
939

A Igreja católica deve imitar a misericórdia do seu divino fundador para com os pecadores, mas também o seu enérgico repúdio do farisaísmo.

Eleições

A voz e o voto pró-vida em Portugal

José Maria Seabra Duque
209

Vamos entrar em ano de eleições, primeiro europeias, depois legislativas, e a Federação Portuguesa pela Vida vai lançar um questionário a todos os partidos e cabeças de listas que a elas concorrerem.

Crónica

Mais 5 dias inúteis /premium

Alberto Gonçalves

Claro que o ar do tempo começa a tornar-se irrespirável e que uma sociedade fundamentada na desconfiança e na delação não promete um futuro risonho. Claro que me apetecia fazer queixa. Mas a quem?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)