Rádio Observador

caderno de apontamentos

Acesso ao Ensino Superior

Autor
  • Ana Balcão Reis
337

Seria bom que a preocupação com o curso em que os jovens vão conseguir entrar não condicionasse tanto o ensino. Com este objectivo poder-se-á querer repensar a forma de acesso ao ensino superior.

Nos próximos dias serão publicados os rankings das escolas de 2017, suscitando a atenção de pais, alunos e professores. Haverá também o habitual questionar da validade destes rankings, sendo uma das críticas mais relevantes o facto de considerarem apenas as notas nos exames nacionais não tendo em conta as diferenças no conjunto de alunos que cada escola recebe. Sobre este ponto tem havido melhorias notáveis na informação disponibilizada, sendo um bom exemplo o indicador dos Percursos Diretos de Sucesso produzido pela DGEEC e disponível online em infoescolas.mec.pt.

Uma outra discussão usual nestes dias gira em torno do peso que as notas nos exames nacionais têm no acesso ao ensino superior. Uma preocupação de quem olha para este tema é que durante os três anos do ensino secundário o ensino esteja demasiado focado na preparação para os exames. E isto por as notas dos exames nacionais serem determinantes fundamentais do curso e faculdade a que os jovens conseguem ter acesso.

Parece existir demasiada preocupação (e mesmo obsessão) com as notas – quer com as notas nos exames, quer com as notas atribuídas pelos professores – por parte de pais e alunos que leva a descurar outras componentes da formação humana tão importantes nestas idades. A prática desportiva, aprender a tocar um instrumento musical, pintar, experiências de voluntariado, sendo muito formativas e valorizadas mais tarde, nos processos de recrutamento, são desvalorizadas nesta fase por retirarem tempo ao estudo.

Seria bom que a preocupação com o curso e faculdade em que os jovens vão conseguir entrar não condicionasse tanto o ensino e a vida dos jovens entre os 15 e os 18 anos. Com este objectivo poder-se-á querer repensar a forma de acesso ao ensino superior.

É importante, no entanto, não estragar um sistema de acesso ao ensino superior que tem garantido dois aspetos que considero fundamentais:

  1. Igualdade de tratamento, objectividade e transparência. Sugestões como a inclusão de entrevistas e cartas de motivação ou experências anteriores tornarão sempre o processo menos transparente. Provavelmente este tipo de avaliação tenderia a benefeciar ainda mais os jovens que provêm de meios mais favorecidos.
  2. Os critérios que determinam o acesso ao ensino superior tendem a selecionar os candidatos com maior probabilidade de ter sucesso no ensino superior. Vários estudos, alguns realizados pelo grupo de Economia da Educação da Nova SBE, mostram que a média final do secundário e as notas nos exames nacionais ajudam a prever os resultados finais no ensino superior. Não quer dizer que o resultado esteja pré-determinado, nem isso seria desejável, mas é importante que os critérios de seleção utilizados estejam correlacionados com o sucesso no ensino superior.

O nosso sistema de acesso ao ensino superior, com ligeiras adaptações, funciona há muitos anos. No entanto, a obsessão com as notas por parte de pais e alunos tem vindo a aumentar. Há 30 anos, esta nível de preocupação só existia quando se pensava em Medicina, curso em que as notas de entrada eram já muito altas. O problema hoje é agravado por as notas de entrada serem muito elevadas em muitos cursos, levando a que jovens bem preparados e perfeitamente capazes de ter sucesso no curso e faculdade para que desejam entrar acabem em segundas ou terceiras escolhas ou nem sequer tenham acesso ao ensino superior.

Em França, exceptuando nas Grandes Écoles, não havia numerus clausus. Seguindo esta ideia, uma solução seria admitir todos os candidatos que tivessem terminado o secundário, fazendo a seleção já no ensino superior: quem conseguisse a aprovação no 1º ano poderia prosseguir com a Licenciatura, quem não conseguisse teria que deixar a faculdade. Embora tendo a vantagem de acabar com a pressão sobre as notas no ensino secundário, este sistema parece muito ineficiente e implicaria provavelmente uma enorme queda de qualidade no 1º ano do ensino superior, por alargar desmesuradamente o número de alunos. Aliás, quando se olha para outros países convém evitar repetir erros já identificados: em França, já foram introduzidos em muitas faculdades limites ao número de alunos admitidos como forma de aumentar a qualidade do ensino oferecido.

Uma solução intermédia seria deixar as faculdades, que o pretendam, aumentar o número de vagas em cursos com elevada procura e baixo desemprego à saída. Cabe às faculdades fazê-lo apenas na medida em que conseguem manter a qualidade dos cursos oferecidos. Cabe à tutela o controlo dessa qualidade. As médias de entrada baixariam, reduzindo a pressão sobre os alunos e as escolas. Mais jovens com capacidade e talento poderiam escolher o curso e escola que pretendem.

Professora da Nova SBE
‘Caderno de Apontamentos’ é uma coluna que discute temas relacionados com a Educação, através de um autor convidado.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
caderno de apontamentos

Os milagres da Educação /premium

Fernando Egidio Reis

Ouve-se que os professores são tradicionais, do século XIX. É o mesmo que dizer que temos feito tudo mal. Que outra profissão especializada admitiria este tipo de abordagem e de desconsideração?

Universidade de Coimbra

Coimbra: Especulações sobre um bife

Ricardo Pinheiro Alves

Porque é que uma instituição veneranda e centenária, criada em Lisboa em 1290 pelo Rei D. Dinis, abandona o reino do saber para entrar no activismo demagógico em que a ciência dá lugar ao marketing?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)