Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Ontem foi aprovado na generalidade o quarto Orçamento do Estado proposto por este governo. Quando esta fórmula governativa foi encontrada, poucos acreditaram que o executivo teria condições para cumprir o seu mandato até ao fim. O que na altura se dizia é que a incapacidade para aprovar um orçamento seria a prova final da ilegitimidade política desta geringonça.

Ao fim de quatro anos, é claro que a maioria dos prognósticos estavam errados. Também eu me enganei. Nem um só orçamento eu esperava que fosse aprovado. Ou melhor, pensava que seria aprovado, rejeitado por Bruxelas e que, quando Portugal tivesse de fazer as devidas alterações, o PCP se recusaria. Enganei-me, portanto, tal como a grande maioria dos opositores desta fórmula governativa.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.