Rádio Observador

Congresso do PS

Costa. Tudo, e mais o seu contrário

Autor
319

O PS é contra a Europa, mas continua a ser pela Europa. Critica o euro, mas não quer sair do euro. A questão é saber se há alguma coisa que o PS de Costa não pretenda ser.

O que é hoje o PS, segundo resumo de António Costa no fim do congresso socialista? É tudo, e mais o seu contrário. O PS é contra a Europa, mas continua a ser pela Europa. Critica o euro, mas não quer sair do euro. Dá prioridade ao consumo interno, mas também às exportações. É “optimista”, mas vê “dificuldades”. É pela “mudança”, mas quer “estabilidade”. Praticou sistematicamente “reversões” de políticas, mas quer acabar com as “reversões” de políticas (pelo menos, no caso do previsto “Programa Qualifica”). É pelo “confronto”, mas através do “diálogo”. Está ao lado do PCP e do BE, comungando na mesma intensa “vontade de mudança”, mas é, com muita tranquilidade burguesa, um partido “social democrata moderado”.

Dir-me-ão: mas as atitudes dos congressistas eram mais claras, mais parciais, menos abrangentes: as assobiadelas que acolheram Francisco Assis, as palmas de pé a todas as críticas de Costa à política de refugiados da UE, a ovação apoteótica ao ministro da Educação. Sim, é verdade. Mas esses congressistas foram os mesmos que saltaram dos lugares para aplaudir freneticamente a promessa de um défice abaixo de 3%, como manda o “neo-liberalismo” europeu. Em suma, a questão não é saber o que o PS de António Costa é. A questão é saber se há alguma coisa que o PS de Costa não pretenda ser.

Uma última nota: para demonstrar a “unidade” do partido, Costa citou Francisco Assis. Quando até as divergências e as críticas, de resto ignoradas, já só servem para provar que o partido está “unido”, que mais se pode dizer?

Para voltar ao menu principal e ler outras opiniões, clique aqui.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rui Rio

Portugal continua a não ser a Grécia /premium

Rui Ramos
394

Quando a Grécia se afundava em resgates, Passos impediu que Portugal fosse a Grécia. Agora, quando a Grécia se liberta da demagogia, é Rui Rio quem impede que Portugal seja a Grécia. 

Racismo

A máquina de inventar racistas /premium

Rui Ramos
3.536

O pior que nos poderia acontecer era deixarmos de ser portugueses, para passarmos a ser “brancos”, “negros”, ou “ciganos”. Não contem comigo para macaquear o pior que tem a sociedade americana.

Democracia

A segunda parte do 25 de Abril /premium

Rui Ramos
420

Há 40 anos, a Aliança Democrática salvou a democracia em Portugal. Como vai agora evoluir o regime, sem uma direita democrática reformista como a que em 1979 fundou a AD?

Maioria de Esquerda

Geringonças e blocos centrais /premium

João Marques de Almeida
102

Depois da sua posição, se quiser ser coerente (não é evidente que queira), Rio terá que defender um referendo à eutanásia. Os temas de consciência individual não podem ser decididos só pelos deputados

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)