Inovação

Dados, o novo ouro dos tolos

Autor
  • Miguel de Castro Neto
248

Os dados em si não possuem valor, o valor decorre do seu uso ou, mais concretamente, quando através do seu processamento somos capazes de criar informação que suporta a tomada de decisão.

Tenho vindo a defender que a verdadeira inteligência urbana apenas acontece quando quem governa o território for capaz de estabelecer estratégias que conduzem à construção da cidade como plataforma, criando as condições necessárias e suficientes para, tirando partido da gestão da informação e da ciência dos dados alavancada no big data, alterar radicalmente o paradigma de planeamento e gestão das nossas cidades e vilas.

Uma inteligência onde os dados gerados pelos sistemas operacionais, pela internet das coisas e pelas pessoas são o novo combustível, como referido pela Economist (maio 2017), “The world’s most valuable resource is no longer oil, but data”.

No entanto, convém lembrar que os dados em si não possuem valor, o valor decorre do seu uso ou, mais concretamente, quando através do seu processamento somos capazes de criar informação que suporta a tomada de decisão e conduz à ação (informação são dados em contexto). Daí a analogia com a pirite, o ouro dos tolos, pois somos muitos vezes levados a acreditar que temos uma enorme riqueza porque possuímos imensos dados, no entanto na realidade quando os tentamos utilizar somos confrontados com a sua inutilidade.

Isso é o que acontece muitas vezes com a políticas de dados abertos que defendemos como vitais para a construção da verdadeira inteligência urbana, onde queremos dados de livre acesso, disponibilizados como serviço e machine readable, capazes de serem integrados diretamente em novos produtos e serviços. No entanto, somos confrontados muitas vezes com o que tem vindo a ser denominado de open washing em que a existência de um portal de dados abertos é apenas mais um ponto de uma check list de ações que devem ocorrer nas cidades ditas inteligentes.

Se pensarmos em atividades económicas relevantes, aquela que hoje desperta mais interesse e tem maior potencial para o território nacional é sem dúvida o turismo. Neste sector podemos identificar facilmente dados de elevado potencial nas nossas cidades e vilas. Quer estáticos, como dados relativos a património material e imaterial, como dinâmicos cobrindo aspetos como agenda cultural, desportiva, etc.

A sua disponibilização seguindo os princípios referidos acima, potencia a criação de novos produtos e serviços pelos ecossistemas de inovação e empreendedorismo, gerando novas oportunidades para os operadores turísticos, como por exemplo possibilitar a uma unidade hoteleira oferecer ao seu cliente uma informação de alto valor acrescentado que consiste numa combinação dos referidos dados estáticos e dinâmicos para o período em que visita a cidade ou vila e que se encontram nas proximidades da respetiva unidade.

Mas também se pensarmos no cidadão e na necessidade premente de otimizarmos o planeamento e gestão de infraestruturas e serviços visando melhorar a sua qualidade de vida, constatamos que os dados das cidades que encerram um enorme potencial de alterar o paradigma desta governação estão também na posse do setor empresarial. Dados como os geridos e gerados pelas operadoras de telecomunicações, empresas de distribuição de água e energia, sistema financeiro, etc. permitem conhecer os padrões de comportamento de quem vive, trabalha e visita as cidades possibilitando a construção de insights de elevado valor acrescentado para o conhecimento do metabolismo das áreas urbanas.

Face a esta realidade, em que os dados realmente relevantes estão na posse não apenas da administração central e local, mas também na esfera privada, é inquestionável a necessidade de encontrarmos novos modelos de colaboração, como tem vindo a ser defendido pelo GovLab no que denominam de Data Collaboratives.

Mais, se estes dados têm valor, é incontornável e urgente o debate sobre a partilha do retorno gerado pela sua utilização. Esta discussão ganha uma relevância acrescida quando constatamos a relevância dos dados pessoais nesta nova realidade onde, garantindo a privacidade e um uso eticamente responsável, é possível ainda assim criar novos e surpreendentes produtos e serviços e gerar receitas significativas. Nesta procura por novos modelos de negócio, uma nota para o surgimento nos Estados Unidos de estados que já lançaram os denominados “Data Dividends” onde taxam as empresas que atuam nestas áreas e distribuem dividendos anualmente aos cidadãos que com os seus dados suportam os respetivos modelos de negócio.

Para terminar e assente na convicção de que o valor dos dados decorre do seu uso, é inquestionável o desafio que enfrentamos em assegurar que temos efetivamente ao nosso dispor aqueles dados que suportam a criação de valor, mas também criar as condições para que os recursos humanos das organizações adquiram competências analíticas para tirar partido do potencial dos mesmos.

Miguel de Castro Neto é professor da Universidade Nova de Lisboa – Information Management School e lidera o NOVA Cidade – Urban Analytics Lab. Foi Secretário de Estado do Ordenamento do Território e da Conservação da Natureza entre 2013 e 2015, no XIX Governo Constitucional. Foi distinguido como personalidade Smart Cities do ano na Green Business Week, em 2017.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Global Shapers

Fintechs, Insurtechs e Regtechs /premium

João Freire de Andrade

Porque é que energia de ativação não foi ainda suficiente? Falta de foco? Orçamento? Atritos na decisão e navegação das políticas da organização? Sistemas informáticos desatualizados? Compliance?

Futuro

Mudança digital, recomposição das cadeias de valor

António Covas

Depois da mecânica, da eletricidade, da computação e internet, é chegada a vez da revolução digital e inteligência artificial. Os seus efeitos serão positivos, mas, também, contraditórios e paradoxais

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)