História

E depois dos partidos?

Autor
259

Na sua diversidade, os novos activismos articulam o mesmo discurso populista e utópico, anti-políticos, anti-partidos, anti-governo e anti-sistema, sem com nada mas nada se comprometerem em concreto.

Desde o século XIX que ouço dizer mal dos partidos. Mesmo quando começaram a estruturar-se como algo de parecido com o que hoje por aí entendemos (com uma organização permanente, hierarquização interna, direcções eleitas e designações estáveis e consagradas), um processo evolutivo só detectável a partir de meados do século passado, continuaram a ser alvo das acusações que eram dirigidas às facções que historicamente os precederam. O caso esteve longe de ser uma originalidade portuguesa. Ocorreu, com maior ou menor intensidade, em todos os países europeus onde existiam monarquias constitucionais, i.e., organizadas como um regime monárquico semi-parlamentarista. Os “partidos” não eram mencionados na Constituição. Mas aquilo que existia nos primórdios do “constitucionalismo monárquico” em Portugal, uma espécie de famílias políticas associadas a determinados rótulos indicativos de um preferência política que em princípio as diferenciava, já era o indispensável esteio do “sistema representativo”. Estes proto-partidos arcavam com uma merecida fama de facciosos e de açambarcadores de empregos do Estado – praticamente não havia outros -, de mordomias e benesses que o poder dispensa aos que o exercem e a quem o apoia. (Ontem como hoje.)

A intensidade das acusações não diminuiu à medida que os partidos foram atingindo a maturidade, a partir da década de setenta. Pelo contrário, eram acusados de corruptos e mentirosos, e as suas figuras mais eminentes, com os nomes chapados nos jornais, eram apontadas como “ladrões”, uma seita a que os ministros alegadamente pertenciam por inerência. É preciso notar que os recursos então ao dispor do governo eram uma gota de água no oceano das oportunidades que o poder está hoje em dia em condições de oferecer.

A maldição dos partidos, largamente merecida, remonta às suas origens oitocentistas, mas agravou-se na actualidade com a equiparação da Democracia ao Estado de Bem-Estar, que já é mais do que simplesmente o Estado-Providência. O primeiro implica conforto, desafogo, capacidade de consumir para além das necessidades básicas, de que algumas essenciais são de resto asseguradas pelo Estado-Providência. Segurança Social (pensões e reformas), subsídios de vária ordem, do desemprego ao rendimento mínimo, Saúde e sub-sistemas de saúde, Educação e por aí fora, representam uma Despesa Pública que há mais de dez anos já se anunciava muito problemática. A crise internacional, precedida durante o “socratismo” de um esbanjamento de dinheiros públicos sem precedentes, ajudou a criar a situação dramática que todos conhecemos.

O facto é que o Estado-Providência já não satisfaz; é preciso um Estado de Bem-Estar. E é esta insatisfação, esta aspiração que os partidos responsáveis não conseguem transmitir e muito menos podem traduzir em resultados práticos, que está na raiz da sua generalizada condenação e na génese de movimentos inorgânicos e transitórios, fóruns de discussão, associações e novas formas de activismo de toda a ordem que competem com os partidos pela representação popular.

Na sua diversidade, os novos activismos articulam o mesmo discurso populista e utópico, anti-políticos, anti-partidos, anti-governo e anti-sistema, sem com nada mas nada se comprometerem em concreto. Ou então apregoam charlatanices como Pablo Iglesias, que promete 140.000 milhões de euros para um rendimento mínimo a conceder a todos os espanhóis, pobres ou milionários. Dedicam-se, exclusivamente, ao protesto e à agitação. O “Podemos”, que tanto entusiasma os nossos esquerdistas alinhados e desalinhados (já começou a romagem ao santuário de Pablo Iglesias), é um típico exemplo de um movimento-partido que acolhe indiscriminadamente todas as aspirações populares, possíveis e impossíveis – sobretudo as impossíveis -, e autoriza todos os sonhos e devaneios, o que enche as pessoas de alegria por se sentirem representadas – embora sem a sombra de uma solução para os seus problemas, porque os “Podemos” pura e simplesmente a não têm.

Uma extrema-direita racista e xenófoba como a liderada por Marine Le Pen possui ao menos condições técnicas e políticas para governar: um partido estruturado, uma ideologia definida, quadros, programa político e apoio de um eleitorado fiel em crescimento. Não é o caso dos novos movimentos ou movimentos-partidos, que em geral nascem de manifestações ocasionais e passam ou se esvanecem com a mesma facilidade com que se formaram. Fruto de uma mobilização popular momentânea, estão feridos de instabilidade e inconstância, carecem da permanência e disciplina indispensáveis para governar. Remetem para comunitarismos utópicos e insinuam a ressurreição da democracia directa para dispensar a horrível intermediação das instituições e dos partidos, do que a dispensa do Parlamento seria já agora uma consequência lógica.

No princípio do séc. XIX, já Benjamin Constant explicou que a “liberdade dos antigos” era impossível no mundo contemporâneo, onde apenas podia existir a “liberdade dos modernos”: a Atenas do séc. V a.c. não era a França do XIX. Depois, a História demonstrou à saciedade que a democracia directa degenera inevitável e fatalmente na usurpação do poder por uma “vanguarda” que dita a sua vontade à maioria, que nem tem tempo, nem meios, nem qualificação, nem apetência ou paciência para fazer da política uma actividade a tempo inteiro. A democracia directa conduz em linha direita ao despotismo de uma minoria com energia militante, com tempo e meios para açambarcar o poder. Ainda que se sustente na guilhotina.

Mas, no estado actual da vida política, a democracia directa, um sonho funesto, fará o seu caminho até à deslegitimização dos partidos – e, consequentemente, da democracia representativa – se estes não souberem ou forem capazes de existir senão como partidocracia, uma nefasta perversão democrática agravada pela corrupção intolerável a que se chegou. A partidocracia implica, de facto, o silêncio da sociedade civil, exautorada da Cidade. Implica, também, que os partidos se constituem em micro-mundos auto-referenciais, movidos pela competição interna pelo poder e, em demasiados casos, por postos “estratégicos” que confiram a influência que abre caminho aos rendosos negócios privados com que muita gente inexplicavelmente enriquece.

Não se trata de moralismo, mas da moral indispensável à autoridade para governar. A escandalosa promiscuidade entre o Estado, que os partidos ocupam, e o mundo da finança e dos negócios privados, abundantemente comprovada; a corrupção a cada dia descoberta; as fraudes e trafulhices cometidas por altos funcionários do Estado, dão dos partidos, de que muitos agentes ocupam a Administração Pública, a imagem de um mundo devasso onde se albergam e chegam longe os que apenas pensam em enriquecer, em perfeito alheamento da causa pública. Os homens não se tornaram mais corruptos, porque a resistência ao dinheiro requer uma certa heroicidade e a natureza humana não muda.

Acontece que o aumento exponencial do Estado nas últimas décadas, fruto não apenas da ideologia estatista predominante mas igualmente da complexificação da economia e das áreas abrangidas pela sua intervenção (sociais, ecológicas, energéticas, financeiras, etc.), traduziu-se numa multiplicação de ministérios, secretarias de Estado, serviços, departamentos, “observatórios”, institutos e chefias que tornou muito mais extensa a “interface” porosa entre o Estado e o binómio economia/sociedade. Esta circunstância, como não custa a compreender, propagou, num contexto de completa desregulação moral do mundo da finança e dos negócios, as oportunidades de fraude de agentes partidários e altos funcionários da Administração Pública. Amplificada pela mediatização, a onda de escândalos que se sucedem com espantosa regularidade, generaliza a convicção de que os partidos se servem do país em benefício próprio. Em tempo de aperto e carência, os topos de gama revoltam. Não custa a compreender.

Esta revolta soma-se ao desejo frustrado de um Estado de Bem-Estar. É também por aqui que irrompem os “Podemos” grandes e pequeninos que deslegitimam os partidos e, por arrastamento, a própria Democracia. Como a História mostra, os regimes também acabam pelo descrédito e ruína dos partidos. E ainda pelo eclipse de valores tão elementares como a honestidade, a honra e a decência (demonstrados no caso excepcional de Miguel Macedo). O niilismo que alastrou depois da carnificina da Iª. Guerra Mundial abriu caminho aos fascismos de vária ordem que imperaram numa Europa outrora liberal e democrática, mas cujos valores foram cilindrados pela bestialidade de um conflito visto como uma atrocidade irracional. Não é precisa tão grande tragédia para gerar a descrença. Sobram razões para Portugal se sentir desmoralizado. E depois dos partidos, o que virá?

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eurogrupo

Centeno? Claro que sim!

Maria de Fátima Bonifácio
1.457

Centeno era – e é – um especialista em maquilhagem. É um economista ou financista para todas as estações. Socialismo? Vamos a isso! Neoliberalismo? Vamos a isso! Centeno não tem escrúpulos ideológicos

Autárquicas 2017

Tudo somado…

Maria de Fátima Bonifácio
855

Fernando Medina foi apanhado em flagrante delito; revelou que era feito da mesmíssima massa do comum dos mortais quando confrontados com cifrões sedutores. Os lisboetas não se importaram nada com isso

Reino Unido

Teresa May aprisionada

Maria de Fátima Bonifácio

May arvorou um ar forme como se nada se tivesse passado. Mas algo se passou: a expressão hard Brexit desapareceu da sua boca, substituída pela promessa de uma negociação proveitosa e amigável com a UE

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)