Rádio Observador

Negócios

Espaço de colaboração com a Índia

Autor
  • Eugenio Viassa Monteiro
152

Há um mundo de oportunidades que só se descobre indo à Índia. Somente visitando detidamente e conhecendo bem as limitações locais se pode tomar uma decisão acertada e fazer bons negócios.

É importante ver em que âmbitos se pode dar e receber conhecimentos e responder às necessidades dos mercados:

Portugal sabe muito do turismo de qualidade, com potencial para ir mais longe- Poderia captar turismo indiano e ajudar a melhorar a formação dos agentes turísticos locais. O cidadão indiano gosta de viajar, de conhecer mundo; mas para ele Portugal quase não existe! Há que imaginar modos de promoção, para que os indianos que viajam para os EUA ou o Reino Unido, façam uma paragem em Portugal. (Uma curiosidade: cada ano, cerca de 3 milhões de indianos visitam Goa ou passam lá parte das suas férias; sentem-se muito bem e, por isso, um dos locais por excelência para promover a imagem de Portugal junto dos turistas indianos é Goa).

E inversamente deveria promover-se Goa e Cochim junto dos Portugueses, ao longo do país, pois terão orgulho em revisitar a história e os feitos dos seus antepassados.

A Índia dispõe de uma boa infraestrutura turística: hotéis de 5 e 4 estrelas em todo o país, de grande qualidade; monumentos famosos e obras de arte como o Taj Mahal e muitos locais de grande interesse histórico, qualificados de património cultural da Humanidade. Tem uma óptima rede de transporte aéreo; uma boa malha de linha férrea e deslocação possível por estradas ou autoestradas que vão sulcando o país.

Para o caso de necessidade, o país está coberto de bons hospitais privados e de casas de saúde, o que dá tranquilidade às pessoas de mais idade. Os locais monumentais e turísticos têm abundante literatura, souvenirs e, sobretudo, guias turísticos com muito saber da história e arte referente aos monumentos em causa.

Os vistos de entrada na India são muito fáceis de obter, quase imediatos, também com o ‘visa on arrival’, que tem de ser solicitado antes da viagem. O mesmo não se pode dizer no sentido inverso. Lembro que a minha sobrinha, trabalhando numa empresa de TI em Bangalore, para fazer um estágio em Lisboa, teria de se deslocar a Delhi (distância de mais de 2.000kms), para a entrevista para o visto. Um verdadeiro absurdo, quando o país está a querer mais turistas! Por vezes, convém lembrar-se da história, quando os Portugueses iam ‘a salto’ a França… E lá se estabeleciam. Portugal faz segregação, para efeitos de visto, dos países pobres que foram explorados e deixados na miséria pelos colonizadores!

Interessante também é a colaboração na agricultura. A produtividade do arroz e outros cereais, por hectare, na Índia, vai em crescimento, mas ainda está em cerca de metade da de Portugal. Haveria muito conhecimento para se levar à Índia. A importação e exportação de variada fruta, hoje produzida em abundância e em boas condições, daria um forte impulso à produção local. Muito especialmente da fruta exótica, em particular a manga de qualidade, cuja seleção e modo de plantação foi apurado no tempo dos Portugueses em Goa, sendo ainda hoje famosa a manga ‘afonso’, ou ‘monserrate’, ou ‘malcorado’ ou ‘fernandino’… nomes dos que apuraram as variedades e que se cultivam muito na Índia toda.

Outras frutas, especiarias e variadas leguminosas tidas como essenciais para uma alimentação sã, poderiam ser outros temas de interesse. Na Índia muitos vegetais são vistos como de proteção e defesa da saúde, com base nos saberes ayurvedicos ancestrais.

A produção de conteúdos sobretudo para entertainment, de longas metragens, séries, video-clips, programas para a TV: a Índia dispõe de toda a montagem de aparelhagem e cenários variados para uma diversidade de situações, pelo que é muito económico produzir esse material na Índia, ainda que os atores e figurantes possam ir de outros locais.

A Índia está a lançar em grande as atividades clássicas destruídas pelo colonizador inglês, como a indústria têxtil. Prevê-se que no ano 2025 venha a exportar $350.000 milhões de dólares. Tem boa indústria do calçado, mas está aberta a colaboração para exportar para mercados muito ricos e exigentes. O programa ‘make in India’ seguido do ‘skill India’ pode suscitar a atenção de muitas entidades formadoras e fabricantes, para se fixarem na Índia, dando treino profissional ou produzindo lá, para exportar para o mundo todo.

De extraordinário volume é o programa de construção de casas em que os saberes e a experiência portuguesas podem-se revelar de alto valor, desde que se produza a custos reduzidos. Todas as indústrias fornecedoras da construção, como louças sanitárias, caixilhos de madeira e alumínio, tubos de pvc, ferragens, etc. estão a ser de elevada solicitação.

Há um mundo de oportunidades que só se descobre indo lá. Somente visitando detidamente e conhecendo bem as limitações locais e os fortes incentivos ao setor, pode-se tomar uma decisão acertada e fazer bons negócios.

Professor da AESE-Business School e Dirigente da AAPI-Associação de amizade Portugal-Índia

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Índia

Actividade espacial, fonte de receitas

Eugenio Viassa Monteiro

A Índia já lançou mais de 180 satélites desde 1999, de 23 países. O maior número pertence aos EUA, de quem a Índia lançou 114. Entre 2013 e 2015, 28 satélites estrangeiros foram colocados em órbita.

Índia

Relevância da Índia nas ciências

Eugenio Viassa Monteiro
144

Que país teve a primeira Universidade do mundo? A Índia. Sim, a Universidade de Takshashila, ou Taxila, teve uma existência pujante entre os séculos 6 A.C. e 5 D.C.

Educação

Liberdade de escolha no Ensino

Eugenio Viassa Monteiro
551

Este é que é o verdadeiro critério: o que não serve deve ser substituído por aquilo que é bom. E quem deve avaliar são os pais, com as suas opções, não os sindicatos nem o ministro.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)