Rádio Observador

Extremismo

Fascismo nunca mais!

Autor
  • Luis Teixeira
1.410

A nossa esquerda radical cultiva abundantemente traços claramente fascistas. O ódio à burguesia. O amor pelos movimentos de massas. A criminalização dos comportamentos. A defesa despudorada da censura

Um dos clássicos da desonestidade argumentativa na política é retirar das declarações do adversário conclusões abusivas. Por exemplo: se és contra a pena de morte é porque és a favor dos criminosos. Ou: se és contra a discriminação positiva de pretos e mulheres é porque és racista e sexista. Ou: se és a favor da despenalização do aborto é porque és a favor do infanticídio. Ou: se és contra a imigração irrestrita é porque és xenófobo. E por aí fora, a lista de exemplos é infinita. Todos os radicais, tanto da esquerda como da direita, adoram o método. Mas quem o tem usado abundantemente por cá tem sido a extrema-esquerda, que precisa desesperadamente de radicalizar o debate eleitoral para fazer esquecer estes quatro anos de colaboracionismo com o PS e acossar a direita moderada. Para isso precisa de fascistas.

Tem sido difícil. Em Portugal não há extrema-direita digna desse nome. Talvez porque os temas habituais da extrema-direita não tenham por cá grande acolhimento nos tempos que correm. Racismo e xenofobia? A imigração é residual. E a nossa miséria ancestral torna difícil a veemência necessária ao racismo: é difícil desprezar alguém que partilha connosco o bairro da periferia e o ódio surdo contra o patrão. Nacionalismo? Os portugueses cultivam em geral um saudável desprezo pelos arroubos patrióticos. Tirando os jogos da selecção, a identidade nacional não nos entusiasma. Talvez porque nos pesa, assim tão antiga, tão evidente. A consequência está à vista. O PNR é uma espécie de claque de futebol sem clube. E André Ventura, a mais recente esperança das hostes anti-fascistas por conta da recente notoriedade com o episódio dos ciganos de Loures (durante a campanha das autárquicas de 2017) e umas declarações incendiárias contra Rio e o PSD, nem os espectadores da CM-TV conseguiu arrastar consigo.

Não há fascismo na nossa direita. Em contrapartida, a nossa esquerda radical cultiva abundantemente traços claramente fascistas. O ódio à burguesia. O amor pelos movimentos de massas. A criminalização dos comportamentos. A defesa despudorada da censura. Não estou a exagerar. A única vez que uma conferência foi proibida numa universidade portuguesa depois do 25 de abril foi há dois anos, por pressão da esquerda radical. E a versão pós-moderna dos secretariados fascistas da propaganda já existe: chama-se CIG – Comissão para a Igualdade de Género. A CIG, que é um organismo do Estado, tem como objectivo declarado ensinar e impôr uma moral e uma visão da sociedade. Não há nada mais fascista do que isso.

Agora sem ironias. Na falta de fascistas, há que inventá-los. Houve, claro, o episódio do bairro da Jamaica e umas declarações incendiárias do sr. Mamadou. E houve há dias o episódio dos ovos, em Coimbra. É interessante que a esquerda se tenha comovido tanto com meia dúzia de ovos quando, há quinze anos, não mostrou qualquer comoção pelo facto de Theo van Gogh ter sido degolado numa rua de Amesterdão. Talvez os nossos activistas tenham medo de facas.

A vida não é fácil.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Aquecimento Global

Uma terra sem amos

Luis Teixeira

Confesso. Não tenho nada contra campanhas pelo ambiente mas tenho contra os movimentos de “jovens”. A última vez que o Ocidente conheceu grandes movimentos de jovens os resultados não foram brilhantes

ADSE

A saúde é um negócio

Luis Teixeira
205

Não há nenhuma evidência de que impedir organizações privadas na saúde melhore os cuidados. Pelo contrário: o monopólio estatal traduz-se geralmente em iniquidade, desperdício e nepotismo.

Terrorismo

O melro de Rushdie /premium

Luis Teixeira

Foi há 30 anos e Khomeini tinha uma razão mesquinha para lançar a fatwa que condenava Rushdie à morte: precisava de congregar à sua volta as multidões desiludidas com o fiasco da guerra com o Iraque.

Liberdades

Liberdade para bons vs liberdade para os maus

Vicente Ferreira da Silva
159

Nazistas, fascistas, marxistas e trotskistas acontece serem todos inimigos da liberdade e da democracia. Hitler e Mussolini tinham mais em comum com Marx e Trotsky do que com qualquer pensador liberal

Extremismo

Os fascistas da saúde /premium

João Marques de Almeida
2.671

O Bloco e o PCP (e o PAN para lá caminha) são os fascistas da saúde em Portugal. Têm dois objectivos: terminar com a iniciativa privada na saúde, e acabar com a liberdade de escolha dos cidadãos.

Eleições Europeias

Populismo e eleições europeias

Ricardo Pinheiro Alves

O crescimento do populismo xenófobo é alimentado pelo aumento do populismo igualitário, conduzindo a uma progressiva radicalização da vida pública como se observa actualmente nos países desenvolvidos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)