Rádio Observador

Feriados

História antiga

Autor

‘25 de Abril sempre’ é parecido com ‘Nunca se esqueçam de pagar a conta da luz.’ Vale o que vale, mas só enquanto houver alguém que não se esqueça. A um cristão não ocorreria dizer ‘Natal sempre.’

Separados ambos por mais ou menos quatro meses, a relação entre o Natal e a Páscoa é diferente da relação entre o 10 de Junho e o 5 de Outubro. No primeiro caso, conta-se uma história, independentemente de se acreditar nela; no segundo manifestamente não. Um problema com os feriados civis é que, por falta dessa história, dependem muito da memória que as pessoas têm dos acontecimentos a que se referem, e a que muitas vezes assistiram, e que por isso lembram com fervor característico.

As recordações das causas para a celebração de certos dias tendem a desaparecer com as pessoas para quem esses dias foram importantes. Alguns dias subsistem independentemente da sua causa: o duvidoso 10 de Junho deve o seu sucesso ao facto de ninguém se lembrar ao certo daquilo que aconteceu nesse dia, se é que aconteceu alguma coisa. O dia 1 de Dezembro começou também a sua carreira mais de duzentos anos depois do facto que comemorava. Mas o mais preciso 5 de Outubro dependeu sempre do estado de saúde dos que dele se lembravam, dos quais, por causas até certo ponto naturais, não resta hoje quase ninguém.

Acontece que, ao contrário da tosse convulsa e dos bens materiais, a memória não é transmissível. Podemos lembrar-nos daquilo que outros se lembraram: mas não nos lembramos porque esses pessoas quiseram que nos lembrássemos disso. Há uma espécie de fatuidade nervosa nas pessoas que querem que os outros se lembrem para sempre daquilo a que elas assistiram. Quando declaramos que uma data deve ser lembrada para sempre estamos por isso normalmente a exprimir o medo de a podermos vir a esquecer, e a dar voz à suspeita íntima de que as nossas memórias são falíveis e não podem ser herdadas. ‘25 de Abril sempre’ é parecido com ‘Nunca se esqueçam de pagar a conta da luz.’ Vale o que vale, mas só enquanto houver alguém que não se esqueça. A um cristão não ocorreria dizer ‘Natal sempre.’

Daqui se segue não um argumento contra feriados civis mas quando muito um argumento a favor da eutanásia dos feriados que dependem de haver pessoas que se lembrem directamente daquilo a que se referem. Do mesmo modo que gradualmente deixamos de celebrar o dia de anos de uma pessoa de quem gostávamos muito, e do mesmo modo que há-de morrer a última pessoa que se lembre do dia de anos de alguém que hoje celebramos, assim as efemérides históricas que dependem de testemunhos e de memórias acabam sempre por voltar ao calendário anónimo de onde saíram. Esse regresso ao anonimato é de resto a única forma de paz que a história pode proporcionar.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Liberdade de Impressão

Miguel Tamen

Na maioria dos casos, as outras pessoas não costumarem ficar impressionadas com as nossas opiniões; ocupadas com o que haverão de dizer, não mostram no geral interesse por aquilo que nós temos a dizer

Crónica

As qualidades das qualidades

Miguel Tamen

Uma acção generosa a que se chega depois de uma análise ponderada tem qualquer coisa de deliberado que a faz parecer-se com a avareza; e pensar em ter coragem é uma variedade de cobardia. 

Crónica

A filosofia pelo fado (IV)

Miguel Tamen

Um grande fado nunca depende dos sentimentos de quem canta: depende de se achar que os outros não têm sentimentos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)