Jovens, que gente essa.

É a geração mais letrada que o país conheceu, facto que justifica (talvez) a quantidade de letras com que a tentam catalogar: são a Y, são a Z, são millenials e não sei mais o quê.

São nativos digitais, curiosos e informais. Viajam pelo mundo, conhecem novas culturas e novas formas de pensar, agem localmente embora pensem globalmente. São jovens, essa força da natureza, com ela mais preocupada do que com a sua riqueza.

E quando tudo parecia deslumbrar, eis que aparece a sociedade a criticar. São preguiçosos, querem tudo, não se interessam, não votam, não participam, são egoístas.

O choque geracional é evidente. Não há solidariedade intergeracional, dizem. Será que os jovens não se importam com a sociedade em que vivem? Com as suas comunidades, com o seu país?

Alguns não, tal como sucede nas gerações anteriores, e como tenderá a acontecer nas futuras. Mas acredito que a maioria tem opiniões formadas sobre variadíssimos temas, opiniões que não conhecemos porque a elas não damos voz.

Sim, pasme-se o leitor: um jovem a escrever para um dos maiores jornais digitais do país a dizer que os seus pares não têm igual privilégio. Não têm. E acredite, há mais gente muito mais qualificada do que eu que tem menos acesso a este privilégio que é o da opinião com audiência.

Interessar-se-ão então os jovens pela informação, pelo jornalismo, pela notícia que se faz hoje em Portugal? Ficaria impressionado se a maioria tivesse o sim como resposta. Mas como acusar sem justificar é uma resposta simples para um problema complexo, desenvolverei.

Analisei os primeiros vinte minutos de cada jornal da noite dos três principais canais da TV dita generalista. Estes jornais tendem a ter, diariamente, à volta do milhão de espectadores cada um, uma audiência relevante no nosso pequeno país.

Contudo, em pouco se diferenciam no conteúdo, muito menos na forma, e distribuem informação que, aos olhos de um jovem, tem pouquíssima relevância no nosso futuro.

Esperaria eu que os grandes temas da atualidade se centrassem na discussão do que é o futuro do nosso país. Não cairei no risco de deixar esta frase no vazio, pelo que enumero:

  • Qual é a grande visão para Portugal no médio/longo prazo? O que queremos do país e como é que a sociedade se pode organizar nesse sentido? Ao invés, parece que as últimas grandes uniões da sociedade foram desenhar uma bandeira humana no estádio nacional, fazer uma feijoada numa ponte e celebrar a conquista do Euro (o de futebol, não o da moeda).
  • Desigualdades sociais e inexistência de classe média: ao contrário da imagem que se tente passar, Portugal é um país profundamente pobre. Temos um salário médio cada vez mais próximo do salário mínimo (fruto do constante aumento deste último) e, se sairmos das bolhas que são as capitais de distrito, vemos um Portugal esquecido e enfraquecido. Crescemos mais que a média europeia dizem, mas o nosso PIB per capita fica atrás do da Eslováquia, do Chipre, da Eslovénia ou da Estónia, esses portentos económicos.
  • Falência do Estado: seja nas pensões, na sustentabilidade da segurança social ou do SNS, da segurança, da defesa ou da justiça, tudo se fala sobre o que aconteceu de mal, mas pouco se planeia sobre o que tem de acontecer de bom.
  • Literacia financeira: num país com taxas de poupança próximas de 0% (lá está, um país pobre), muito se fala de emprestar mas pouco se fala de poupar. Numa situação de insustentabilidade da segurança social será fundamental haver uma clara noção de como é que nos podemos precaver face a desafios futuros.
  • Modelos educativos: Das creches às universidades, qual é que é a visão para os futuros modelos educativos em Portugal? De uma clara rigidez de programas na educação obrigatória, a uma insuficiência de recursos ao nível do ensino superior, ao fraco incentivo à docência universitária e investigação científica em Portugal.

Estes são temas que, pessoalmente, gostava que fossem debatidos, revistos, propostos, de forma alargada, pela sociedade civil e noticiados pelos órgãos de comunicação social. São temas que convocam problemas atuais e soluções que requerem compromissos geracionais de longo-prazo.

Pois bem, voltemos aos tais primeiros 20 minutos de cada jornal nacional. Procurei agregar o conteúdo em vários segmentos, à semelhança do que um editor faria na preparação do seu jornal. Eis a nossa semana:

  • Falência do Estado: Mais uma semana rica em notícias que deixam qualquer um deprimido por depender destes serviços. Alunos sem aulas. Serviços de urgência sem água, enganos no pagamento de pensões, protestos de (respire) professores, médicos, estudantes, enfermeiros, magistrados. Venda de imóveis da Segurança Social abaixo do preço de mercado. Agressões a (respire) enfermeiros, médicos, magistrados. Professores de inglês a dar aulas de português e professores de história a dar aulas de geografia. É quase igual; quase.
  • Novelas à portuguesa: um segmento diário, em todos os canais, dedicado a novos episódios de temas que fazem parte do quotidiano do cidadão português. São eles: Alcochete (academia), Tancos, Meco, Eleições PSD e Livre/Joacine. Esta semana, em formato mini-série, Marcelo Rebelo de Sousa foi a Moçambique. Entre outras intervenções, deu um mergulho e disse que havia 50% de probabilidade de se recandidatar, uma afirmação que ia dando erro no sistema informático dos vários canais, pois sabemos o que acontece quando se divide algo por zero.
  • OE2020: este fantástico fenómeno de se estar a negociar um orçamento para um exercício que já começou. Milhão para aqui, milhão para ali, todos se atacam por mais uma fatia do bolo que claramente não chega para todos os convidados. De um lado, o Governo diz ter o melhor orçamento de sempre; do outro, antecipam-se novos capítulos do segmento “Falência do Estado”.
  • Corrupção: não seria Portugal sem este segmento, certo? No cardápio desta semana tivemos BES, ou Novo Banco, como preferir, é você que paga; tivemos Banif e tivemos Isabel dos Santos. Todos inocentes, todos alvo de calúnias, claro está. Aguardemos a conta.

Em paralelo, a presença assídua dos comentadores residentes, frequentemente políticos e jornalistas com mais de 50 anos, que sobre tudo têm opinião, garantindo assim a propriedade do microfone no espaço público e a vitória da espuma dos dias sobre os grandes temas de fundo.

Mas não precisa de ser assim. Portugal tem gerações qualificadíssimas nos mais variados setores. E o debate de ideias não se esgota, não se pode esgotar, no choque entre comentadores de cores diferentes.

No entanto, estes jovens qualificados são convidados poucas vezes e, sobretudo, para debater na qualidade de jovens, nunca na qualidade de especialistas, de participantes, de interessados.

É preciso fidelizar o consumo jovem de boa informação, de bom material noticioso, e isso só acontecerá se houver representatividade na comunicação social, seja na forma ou no conteúdo.

Assim nasce o projeto 100 Oportunidades, já apresentado em Dezembro passado pelo João Marecos.

São 100 jovens escolhidos pelo seu percurso, recomendados por especialistas nas suas áreas, independentemente das suas afiliações ou ideologias, com um foco absoluto na sua capacidade de acrescentar conteúdo e conhecimento, de enriquecer o espaço público.

São 100 jovens para acabar com as desculpas e 100 oportunidades para enriquecer a informação em Portugal.

Não, os jovens não estão desinteressados com o futuro. Os jovens estão desinteressados no futuro que lhes propõem. Mas são jovens que querem participar na mudança, que querem ser ativos na construção do seu futuro, que querem deixar a sua marca e melhorar a sociedade em que se inserem.

Porque os jovens de hoje são os líderes de amanhã, é fundamental que tenham o espaço para se desenvolverem, para errarem, mas, acima de tudo, para ajudarem a formar a opinião daqueles que vêm depois deles. Os primeiros 100 estão aqui. Qual vai ser a desculpa?

João Romão tem 31 anos, é gestor e lidera a GetSocial.io, uma plataforma que analisa a performance de conteúdos digitais e a sua distribuição (pública e privada) em dezenas de redes sociais. Para lá da sua atividade empresarial, tem desenvolvido produtos e explorado ideias à volta dos temas do impacto das redes sociais na sociedade, futuro do trabalho e inteligência artificial.

O Observador associa-se aos Global Shapers Lisbon, comunidade do Fórum Económico Mundial para, semanalmente, discutir um tópico relevante da política nacional visto pelos olhos de um destes jovens líderes da sociedade portuguesa. Ao longo dos próximos meses, partilharão com os leitores a visão para o futuro do país, com base nas respetivas áreas de especialidade. O artigo representa, portanto, a opinião pessoal do autor enquadrada nos valores da Comunidade dos Global Shapers, ainda que de forma não vinculativa.