Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A edição de fim-de-semana do Financial Times de há oito dias contém um debate sobre Inteligência Artificial, edição genética, tecnologia e processamento da informação. Os participantes foram Kazuo Ishiguro e Venki Ramakrishnan. O primeiro foi Prémio Nobel da Literatura em 2017 e o segundo da Química em 2009. Por sinal, o último livro de Ishiguro, ‘Klara and the Sun’ (que não li) consiste numa distopia em que Klara, uma máquina humanóide, é amiga de uma adolescente gravemente doente.

A troca de ideias entre os dois é interessante pois não é habitual que se discutam desafios que ainda não sabemos como se vão apresentar. Ambos levantam questões éticas que contêm a agravante de, quando tal suceder, o mais certo é que nos encontremos numa situação de não retorno, da qual poderemos não conseguir fazer marcha-atrás.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.