Crónica

Os brasileiros que me envergonham

Autor
3.609

Existe uma leva de brasileiros que há 10 ou 15 anos se mudaria para Miami, mas que agora decidiu vir para Portugal para “se livrar do terceiro mundo”. Têm muito dinheiro, mas pouco na cabeça.

Muito embora meu país esteja no pior cenário possível- um cenário que não tem nada de combate à corrupção, nada de melhoria, nada de caminhar para frente, mas sim um lamentável cenário de preservação de privilégios encardidos a qualquer custo – eu sigo muito orgulhosa da minha brasilidade. Do meu astral, das minhas raízes, do meu som, da minha essência.

Quando me mudei para Lisboa, eu não fugia de nada: nem de crise, nem de violência, nem de zika vírus. Vim única e exclusivamente por amor ao português com quem me casei. E hoje sou muito feliz aqui. Mas observo com alguma atenção a onda de imigrantes brasileiros que chega a Portugal nos últimos tempos.

Não tenho dúvidas de que os portugueses nos recebem agora com os mesmos braços abertos com os quais sempre recebemos os incontáveis imigrantes portugueses que foram se aventurar no Brasil. Agora é a vez deles. Não tem jeito, relação de ex-colonizador e ex-colonizado é sempre assim. Nunca nos livraremos uns dos outros. O que, no nosso caso, me parece algo bom.

A minha preocupação é que existe um certo tipo de brasileiro que começa a chegar a Portugal com uma mentalidade e um discurso que me fazem- talvez pela primeira vez na vida- ter uma certa vergonha dos meus conterrâneos.

Não tenho vergonha nenhuma dos brasileiros que vieram para Portugal para sobreviver em sub-empregos, ganhando no máximo um salário mínimo, vivendo em casinhas pequenas e periféricas, tentando juntar algum dinheiro para enviar para a família que passava fome no Brasil. Pelo contrário, tenho um orgulho imenso desses.

Tenho orgulho dos brasileiros que são faxineiros, que são empregadas domésticas, empregados de mesa, motoristas de uber, vendedores em lojas, operários em indústrias. Também não tenho vergonha das famosas e condenadas brasileiras que se prostituíram como último recurso para sustentar sozinhas seus filhos pequenos e seus pais doentes.

Me orgulho também dos brasileiros transferidos pelas empresas nas quais trabalhavam; dos que viram nesse pequeno país em ascensão uma grande oportunidade de criar novos negócios e novos empregos e dos que vieram para batalhar por uma vida mais feliz e mais livre.

No entanto, existe uma leva de brasileiros que há 10 ou 15 anos se mudaria do Brasil para Miami, mas que agora decidiu vir para Portugal para “se livrar do terceiro mundo”. São brasileiros com muito dinheiro no bolso e muito pouca coisa na cabeça. Brasileiros que tratam o Brasil com desprezo, que não valorizam nada da nossa cultura- ou que não valorizam a cultura de um modo geral.

Brasileiros que sintetizam todos os problemas do Brasil na figura do presidente Lula, enquanto ainda votam serenamente em homens sabidamente corruptos, mas que merecem todo tipo de perdão por serem brancos e ricos como eles. Brasileiros que são declaradamente racistas, que dizem que nordestinos não deveriam ter direito a voto e que falam dos programas de combate à miséria no Brasil com desprezo, enquanto compram foie gras com seus impostos sonegados.

Brasileiros que compram imóveis de meio milhão de euros e que ficam revoltados por terem que pagar horas extras às suas empregadas domésticas. Que compram garrafas de Barca Velha, mas que não fazem ideia do que foi o 25 de abril. Que elogiam o funcionamento do serviço público na Europa, mas que têm o mais genuíno horror ao combate a desigualdade social.

Sim, desses brasileiros eu me envergonho bastante. E peço desculpas aos portugueses por isso. Mas não há de ser nada. Assim que eles descobrirem que o atual primeiro ministro é do partido socialista, que o presidente é a favor do combate à pobreza- bem como que o país inteiro se comoveu com a morte do Mário Soares- eles fecham suas malas Louis Vuitton e voltam para Miami dizendo que não vão viver nessa filial de Cuba. Não adianta tentar explicar, eles não serão capazes de ouvir.

(Há 7 anos, o brilhante comediante Marcelo Adnet publicou esse vídeo, que não poderia retratar melhor – sobretudo nos últimos segundos- o triste brasileiro ao qual me refiro)

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Jovens

Nos desculpem, queridos millennials /premium

Ruth Manus
1.332

Millennials, nos desculpem. Tem uma parcela de culpa de todo mundo nisso. Dos pais, da escola, do mercado de trabalho, da indústria, das redes sociais. E, sim, temos coisas a aprender com vocês.  

Crónica

Mais 5 dias inúteis /premium

Alberto Gonçalves

Claro que o ar do tempo começa a tornar-se irrespirável e que uma sociedade fundamentada na desconfiança e na delação não promete um futuro risonho. Claro que me apetecia fazer queixa. Mas a quem?

Crónica

A “familiar de referência” /premium

Maria João Avillez
225

A altíssima competência médica de Santa Maria releva também do milagre da dedicação. Deve haver poucos sítios no mundo onde se possa entregar assim um coração.

PCP

A História os absorverá /premium

José Diogo Quintela
2.304

Termos partidos leninistas e trotskistas a conviver com pessoas comuns é um luxo para o cidadão português interessado em História. É como um paleontólogo ter um Brontossauro de estimação no quintal.

Crónica

Os meninos à roda da propaganda /premium

Helena Matos
2.321

O menino que em 2012 chorava porque a mãe não tinha dinheiro para comprar bolachas agora quer salvar o planeta. O que mudou? A cor política do Governo. As bolachas essas continuam iguais. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)