Emprego

Precariedade

Autor
  • Luís Campos e Cunha

A solução para o “desemprego a prazo” não é colocar a empresa no dilema do tudo ou nada, mas antes dar-lhe a possibilidade de renovar o contrato com a imposição de ser por um prazo crescente.

Os contratos a prazo são desemprego a prazo? É verdade. A extrema esquerda tem, neste aspecto, (quase) integral razão. A grande discordância está na solução. E a precariedade coloca problemas enormes à vida de um trabalhador: desde conseguir um crédito para comprar uma casa ou a decisão de ter um filho, por exemplo.

Para a esquerda mais radical a solução é proibir. Mas a verdadeira solução é bem diferente.

Neste momento, quando se atinge o tempo limite de renovação de um contrato a prazo a empresa é posta no dilema: contratar com um contrato permanente ou mandar a pessoa embora. No primeiro caso, a empresa incorre em potenciais custos e riscos muito elevados e, no segundo, perde um colaborador que está a fazer um trabalho para o qual teve alguma formação —tendo adquirido hábitos e conhecimentos— que foi custosa para a empresa.

A solução é suavizar esse dilema. Em vez de impor um limite de anos para renovar os contratos a termo, o melhor seria impor que cada renovação de contrato a termo fosse (por exemplo) pelo dobro tempo do anterior (se considerarem que o dobro é pouco, pensem no triplo).

Não haveria limite ao número de contratos a termo com o mesmo trabalhador mas o tempo seria (exponencialmente) mais longo. Por exemplo, o primeiro contrato seria por 6 meses; a renovação seria por um ano; o terceiro seria por 2 anos; e o quarto contrato a termo seria por 4 anos; e assim sucessivamente. Ou seja, ao quarto contrato o trabalhador já estaria na empresa há 3 anos e meio e teria mais 4 anos pela frente. Continuar a falar de precariedade com um horizonte de 7 anos e meio seria um pouco estranho.

A solução para o “desemprego a prazo” não é colocar a empresa no dilema do tudo ou nada, mas antes dar-lhe a possibilidade de renovar o contrato com a imposição de ser por um prazo crescente. É fácil de fiscalizar, é simples e com resultado certo para o fim da precariedade em troca de relações previsíveis de emprego.

Esta sugestão não é minha, ouvia-a há uns anos, mas parece-me “ovo de colombo”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ensino Superior

Propinas, 44 anos depois...

Luís Campos e Cunha
1.718

A estupidez das propinas zero não tem limites. Há a esperança de haver outro ministro até lá, mas a incerteza continuará por muitos anos, dificultando estratégias de desenvolvimento do ensino superior

Política

Fascismo e salazarismo

Luís Campos e Cunha
1.650

Salazar não era revolucionário como o fascismo, era conservador. Era mesmo avesso ao progresso industrial, era reacionário, via a felicidade do povo na ruralidade: cada família com a sua junta de bois

PGR

Joana Marques Vidal

Luís Campos e Cunha
116

Há bons argumentos para mandatos longos e únicos para funções públicas como a de PGR. Mas há um diabo de um detalhe: é que tem de estar claro, na lei, desde o início, que o mandato é único. E não está

Desigualdade

Estudar é para todos?

José Ferreira Gomes

Todos os jovens merecem igual consideração e há que evitar oferecer diplomas sem valor futuro no mercado de trabalho. O facilitismo só vem prejudicar os jovens, em especial os socialmente mais frágeis

Medicina

Reflexões de um jovem médico dentista

Luís Pereira Azevedo

77% dos Médicos Dentistas formados há menos de 2 anos têm uma remuneração inferior a 1500 euros brutos mensais. É grande a situação de precariedade e incerteza com que a profissão atualmente se depara

Desigualdade

Estudar é para todos?

José Ferreira Gomes

Todos os jovens merecem igual consideração e há que evitar oferecer diplomas sem valor futuro no mercado de trabalho. O facilitismo só vem prejudicar os jovens, em especial os socialmente mais frágeis

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)