Ensino Superior

Propinas, 44 anos depois…

Autor
  • Luís Campos e Cunha
1.718

A estupidez das propinas zero não tem limites. Há a esperança de haver outro ministro até lá, mas a incerteza continuará por muitos anos, dificultando estratégias de desenvolvimento do ensino superior

Foi anunciado o fim das propinas no ensino superior para daqui a alguns anos, depois de, mais recentemente, a terem cortado em cerca de 200 euros. Há apenas a esperança de que o ministro deixe de o ser antes disso!

Há 44 anos exatos escrevi o meu primeiro artigo de opinião, nessa altura no Expresso. Foi em dezembro de 1974. E foi, certamente, um artigo mal escrito (de que não guardo uma cópia) na verdura dos meus 20 anos de idade. Aí defendi, em termos gerais, que os apoios do Estado não deviam ir para as universidades mas diretamente para os alunos. As universidades cobrariam as propinas para se financiarem. Quase meio século depois continuamos a discutir o óbvio. Não conheço um único bom argumento para a propina ser zero!

Obviamente, para eliminar a discriminação económica no acesso ao ensino superior, o Estado deveria ter um sistema generoso de bolsas de estudo. Em 1976/77, eu próprio beneficiei, no final do meu curso, da compreensão da Universidade Católica para ir pagando como podia as minhas propinas da licenciatura. Não esqueci!

Primeiro, as universidades necessitam de recursos; se não vierem das propinas, terão de vir do Orçamento do Estado, ou seja, vai faltar noutra área e, em último caso, será pago por todos.

Segundo, o aluno quando paga a propina (mesmo que venha de uma bolsa) está a pagar por um serviço. Por um lado, sentir-se-á mais responsável porque está pagar e, por outro, sente que pode de exigir mais da instituição.

Terceiro, o grande custo para um aluno no ensino superior não são as propinas (que eram de cerca de 1000 euros anuais) são o sustento do dia-a-dia. Pensando nos mais desfavorecidos, o aluno que vem do interior estudar em Lisboa precisa de cerca de 10 mil euros anuais. Tem de pagar alojamento, alimentação, transportes, livros, etc.

É aqui que reside a grande importância das bolsas de estudo, e não em reduzir 200 euros na propina anual.

Quarto, muitas escolas do ensino superior, começam a ter alunos estrangeiros (não estou a falar de alunos Erasmus, saliente-se) da Alemanha, Polónia, Brasil… para quê tal esforço se vierem a receber zero por tais alunos? Para combater os efeitos da crise demográfica no ensino superior (e não termos as Universidades às moscas) é necessário mais alunos, desde logo recebendo os mais pobres (que passam a ter acesso com bolsas de estudo, claro) e captando alunos estrangeiros. Com propinas zero não há incentivos para tal esforço.

Quinto, porque é que o Estado —ou seja, todos nós— deve pagar os custos de um estudante alemão ou de um brasileiro que veio para uma universidade portuguesa?

Sexto, a incerteza quanto ao financiamento do ensino superior (de que as propinas são uma parte relevante, mas longe de ser exclusiva) impossibilita a existência de uma estratégia de médio e longo prazos para o seu desenvolvimento. Há que planear o recrutamento de professores, abrir novos cursos (ou fechar antigos), investir em instalações,… tudo isto necessita de previsibilidade e de enquadramento estável no que respeita a financiamento. Já agora, penso que o Estado nunca cumpriu (digamos nos últimos 30 anos) o que estava acordado em relação no financiamento ao ensino superior. E, mais uma vez, baixar as propinas é absurdo.

Se os mais pobres não têm acesso ao ensino superior, alargue-se o programa de bolsas de estudo e construam-se mais residências de estudantes, por exemplo. A estupidez das propinas zero não tem limites. Há apenas, como salientei, a esperança de haver outro ministro até lá. Mas a incerteza continuará por muitos anos, dificultando estratégias de desenvolvimento para o ensino superior.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Fascismo e salazarismo

Luís Campos e Cunha
1.650

Salazar não era revolucionário como o fascismo, era conservador. Era mesmo avesso ao progresso industrial, era reacionário, via a felicidade do povo na ruralidade: cada família com a sua junta de bois

PGR

Joana Marques Vidal

Luís Campos e Cunha
116

Há bons argumentos para mandatos longos e únicos para funções públicas como a de PGR. Mas há um diabo de um detalhe: é que tem de estar claro, na lei, desde o início, que o mandato é único. E não está

Eleições no Brasil

É bom ser Tuga

Luís Campos e Cunha

Ter de escolher entre um saudosista da ditadura de 1964 e a insegurança e corrupção garantida pelo PT é triste. Como escolher entre alguém tido como fascista e um democrata talvez corrupto é dramático

Ensino Superior

Propinas: para que te quero? /premium

Manuel Villaverde Cabral

Segundo a OCDE um licenciado ganha, em média, 69% acima de um diplomado do ensino secundário e fica menos tempo desempregado. Será justo que os impostos de pobres e ricos paguem o custo das propinas?

Ensino Superior

Das propinas e da ausência delas

João Pires da Cruz
177

Faz todo o sentido acabar com as propinas e acabar com a situação em que a educação superior é educação para os filhos dos ricos. Que são dois problemas de gestão e, como tal, possíveis de resolver. 

Ensino Superior

A fraude da eliminação das propinas

André Azevedo Alves
893

Aos 18 anos os jovens poderiam votar, mas estariam ao mesmo tempo sujeitos à frequência compulsiva de um “ciclo geral universitário” para receberem a adequada doutrinação socialista.

IAVE

Errare humanum est… exceto para o IAVE!

Luís Filipe Santos

É grave tal atitude e incompreensível este silêncio do IAVE. Efetivamente, o que sempre se escreveu nos anos anteriores neste contexto foi o que consta na Informação-Prova de História A para 2018.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)