Rádio Observador

Congresso do PSD

Santana, Rio, Soares e outras notas de rodapé

Autor
1.423

A proximidade às mesas dos restaurantes onde se distribuem prebendas do Estado não equivale a “ter mundo”. Pequenino e comum ao dr. Santana, ao dr. Rio e a Portugal inteiro é um mundo que dá pena.

1. Parece que os drs. Rio e Santana disputam hoje a presidência do PSD. Parece ainda que ambos cometeram uns debates por aí. Não vi. Consola-me saber que ambos tentam mostrar-se diferentes entre si e conseguem sugerir que nenhum se distingue particularmente do conhecido dr. Costa. O resto, que para meu desgosto não evitei ler ou ouvir, é a troca de lugares-comuns que caracteriza competições assim. Talvez por vingança, os “media” acrescentam os lugares-comuns que faltavam.

O meu preferido é o que deprecia o dr. Rio por exibir uma “dimensão” mais “regional” e valoriza o dr. Santana por “ter mundo”. Tradução, o dr. Rio não mora em Lisboa e o dr. Santana sim. É um critério engraçado. O dr. Rio possui pouquíssimas recomendações, a começar por um bando de apoiantes susceptível de aterrorizar o soldado Milhões. Mas rebaixá-lo pelas ligações nortenhas é tão pertinente quanto “Tony” Carreira ridicularizar o penteado do sr. Trump.

Caros compatriotas, somos todos portugueses, logo, do Minho a Tim…, perdão, aos Algarves, somos todos regionais, periféricos, provincianos, parolinhos, suburbanos e os restantes epítetos que explicam a fatalidade de o país ser o simpático embaraço que é e não uma coisa adulta e vagamente apresentável. Das Avenidas Novas ao largo de Figueiró dos Vinhos, a única diferença é o possível deslumbramento dos que habitam as primeiras. A proximidade às mesas dos restaurantes onde se distribuem prebendas do Estado não equivale a “ter mundo”. Este mundo pequenino e, na essência, comum ao dr. Santana, ao dr. Rio e a Portugal inteiro é um mundo que dá pena, pena do dr. Santana, do dr. Rio e, sobretudo, de Portugal inteiro.

2. “O nosso dever é todos os dias homenagearmos Mário Soares”, decretou o dr. Costa em cerimónia oficial de homenagem a Mário Soares. Da maneira que isto está, ignoro se a coisa já subiu a lei e se as coimas por desobediência são pesadas. À cautela, estabeleci um programa. Segundas e terças-feiras, recordo o Soares filósofo, relendo as crónicas dele no “Diário de Notícias” e sublinhando com um lápis afiado as referências ao “bom Papa Francisco” e à responsabilidade do “neoliberalismo” nas “alterações climáticas”. Quartas-feiras, celebro o Soares democrata, através das entrevistas em que elogia Chávez e Lula e insulta dois terços dos regimes ocidentais. As quintas-feiras são dedicadas ao Soares republicano, pelo que desfraldo a bandeira e canto “A Portuguesa” trinta vezes depois do almoço e trinta depois da sesta. Às sextas, comemoro o Soares feminista, evocando com pesar a importantíssima eleição que perdeu para uma “dona de casa”. Aos sábados, festejo o Soares bonacheirão e ponho em “loop” no youTube o vídeo do “Ó sr. guarda, desapareça!”. Dedico os domingos ao prestígio internacional de Soares e, não sei porquê, penso muito em Macau e queimo uma efígie de Rui Mateus. Chega assim? Caso não chegue, espremo a agenda e arranjo espaço para aplaudir o Soares patriota, que a título pedagógico entregou o país ao FMI em duas ocasiões, o Soares solidário, cujos amigos não morriam na cadeia, e o Soares digno, que caucionou os merecidos insultos à “amante” de Sá Carneiro.

3. Espantosamente, os Globos de Ouro premiaram um bom filme (“Three Outdoors Outside Ebbing, Missouri”). Sem surpresas, serviram também para fazer chinfrim em volta da “causa” do momento: o assédio sexual, sobre o qual se começou por condenar violadores e se acabará a levar para a fogueira o tarado que pisca o olho a uma senhora. Nem de propósito, as duas figuras mais indignadas da noite – Oprah Winfrey e a repulsiva Meryl Streep – eram notórias amigas do violador original desta história, o produtor Harvey Weinstein. Possivelmente, conheciam-lhe os hábitos e ignoraram-nos até os ditos se tornarem públicos. Não admira: em Hollywood e no mundo real, o objectivo das “causas” é privilegiar os porta-vozes em detrimento das vítimas, sempre acessórias. Muito pior que o “assédio”, o drama destes tempos é o mau gosto. Ou a falta de vergonha. Ou a hipocrisia. Ou a pura boçalidade. Ou o que quiserem chamar-lhe. E se não chamarem, a boçalidade vem na mesma.

4. Os “media” garantem-me duas coisas. A primeira é que a emigração portuguesa continua em grande, e que cem mil alminhas deixaram a pátria em 2016. A segunda é que 4 mil indivíduos, dessas ou de outras contas, aproveitaram a isenção de visto na entrada nos EUA para se instalar por lá. O curioso é os “media” terem passado os últimos meses a garantir duas coisas ligeiramente distintas. A primeira é que, graças ao prodigioso dr. Centeno e à compaixão da esquerda, Portugal se tornara um caso de sucesso económico e, afinal, um paraíso invejável. A segunda é que os americanos fugiam em debandada do temível sr. Trump. Partindo do princípio de que os “media” não falham, falharam os factos. Convinha que os factos chegassem a um acordo.

5. Não surpreende que, com típica subtileza, o governo prometa enxotar Joana Marques Vidal do cargo. O surpreendente é ter existido uma procuradora-geral da República que, com a leviandade que não caracterizava o seu antecessor, permitiu investigações a gente tão impoluta quanto os Salgados, os Sócrates, os Varas, os Bavas e o que calhou. A dra. Marques Vidal é a relíquia de um tempo em que o país pareceu ambicionar civilizar-se e uma excrescência neste tempo novo em que ambicionamos outras coisas. É natural que seja corrida. Esperamos que seja corrida.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Condenados ao fracasso

Zita Seabra
182

O PSD não precisa de ser confrontado do exterior e desafiado em ano de eleições. Necessita sim de se renovar e se questionar de dentro e por dentro e de sair da tristeza e do vazio em que se encontra.

Rui Rio

Os frágeis

Helena Matos
781

Estamos na mão dos frágeis. Rui Rio ganhou um congresso do seu partido; Costa perdeu as legislativas. Qual a legitimidade de Rui Rio para fazer acordos com Costa em matérias como a regionalização?

Congresso do PSD

Rui Rio, um novo Presidente?

José Pinto

Mostrar disponibilidade para consensos com os outros partidos parece uma ideia salutar. O problema reside na dúvida sobre a forma como Rui Rio pretende materializar essa ideia. 

Rui Rio

O PSD entrou para o «condomínio»?

Manuel Villaverde Cabral
125

Por mais que isso pareça inquietar a direcção do PSD, esta só tem como caminho opor-se frontalmente à actual política governamental. O contrário será eleitoralmente inútil e politicamente regressivo. 

Rui Rio

As prioridades do “novo PSD”

Helena Garrido
107

Descentralização, fundos comunitários, segurança social e justiça são as prioridades de Rio carentes de consensos. De todas elas a mais urgente é a segurança social. A menos compreensível é a justiça.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)