Extrema Esquerda

Trump e a radicalização da esquerda /premium

Autor
390

O radicalismo explora hoje o chamado “populismo” como um espantalho para eliminar a esquerda moderada. A lógica é esta: se Trump é um Hitler, o seu inimigo tem de ser Estaline.

As eleições na América já não interessam apenas, como no tempo de George Bush, por ocorrerem na maior potência do planeta. Os EUA tornaram-se, com Donald Trump, uma espécie de laboratório da política ocidental. E uma das coisas que, por exemplo, podemos compreender na América é porque é que a esquerda portuguesa anda a descobrir que, afinal, o PSD e o CDS são as SS à paisana.

Nunca, como nas eleições de terça-feira, os Democratas tinham proposto candidatos tão radicais, gente para quem a etiqueta de “liberal” (no sentido americano) já não chega, mas que se diz “progressista” e até “socialista”. Ora, isso só se tornou possível graças ao uso que têm feito de Trump. Desde 2016, que o fracasso de Hillary Clinton tem servido à corrente identificada com Bernie Sanders, grande adepto da ditadura cubana, para demonstrar que, contra Trump, a moderação é um erro: é preciso radicalizar, isto é, fazer à esquerda o que supostamente Trump teria feito à direita, porque a partir de agora só se ganhariam eleições graças ao fervor dos mais fanáticos. Se Trump é um Hitler, o seu inimigo tem de ser Estaline.

A extrema-esquerda explora hoje o chamado “populismo” como um espantalho para submeter as outras esquerdas. Viu-se isso no Brasil, onde o PT tentou aproveitar Bolsonaro para obrigar toda a gente que não quisesse ser denunciada como “fascista” a votar em Haddad. E onde não há Trumps e Bolsonaros, inventam-se. Em Portugal, o Partido Socialista governa o país com os fãs de Estaline e de Chávez. Para justificar a “frente popular”, a direita teve de voltar a ser acusada, como no PREC, de “reaccionária” e “salazarista”. Nem precisa, para isso, de defender a ditadura de Salazar ou qualquer outra. Basta que, como Fernando Henrique Cardoso, não ache Haddad uma alternativa a Bolsonaro. Foi assim que Assunção Cristas se tornou uma ameaça à democracia, e Francisco Louçã um defensor da democracia.

É verdade que a radicalização não deu vitórias, nem no Brasil, nem agora nos EUA. Numa eleição que todos entenderam como um referendo a Trump, a maioria democrata na Câmara dos Representantes, muito mais pequena do que seria de esperar, serviu apenas para os comentadores declararem a América “dividida”. Para os radicais, porém, o objectivo não é derrotar a direita, mas eliminar os reformistas que dominaram as esquerdas nos anos 90, no tempo de Bill Clinton e Tony Blair. A polarização sectária tem servido para isso: na Inglaterra, o Partido Trabalhista sob Jeremy Corbyn, “amigo” da Venezuela chavista, é já uma espécie de Podemos. É de bom tom clamar contra os populismos. Mas a absorção da esquerda por esta salada russa de nostalgia soviética e sectarismos identitários, fortemente marcada pelo anti-semitismo, não é menos ameaçadora para a democracia representativa e a economia de mercado.

De facto, Trump e o radicalismo têm-se alimentado um ao outro. Sob a influência radical, o ataque a Trump deixou de ser a crítica de um presidente com más ideias e modos grosseiros, para passar a ser um ataque a todos os que não pensam como os radicais: já não é Trump, é toda a direita que, só por ser direita, é racista, misógina, etc. À direita, houve sempre críticas e reservas a Trump. Mas a agressão indiscriminada confunde tudo, e branqueia o demagogo oportunista, ao permitir-lhe passar por apenas mais uma vítima, entre tantas, do facciosismo esquerdista: o que dizem de Trump (ou de Bolsonaro) não é, afinal, muito diferente do que, usando os mesmos métodos, dizem de Churchill.

Aos que reclamam ser moderados na esquerda talvez conviesse duas coisas: deixarem de exigir à direita democrática condenações de Trump ou de Bolsonaro nos mesmos termos em que os radicais as exigem, como um exercício de auto-abjecção e renúncia a quaisquer ideias próprias, e libertarem-se da mania de tratar todos os que têm outro ponto de vista como “salazaristas” e “reaccionários”. Para os radicais, faz sentido; para os moderados, é apenas uma estupidez.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Porque é que Rui Rio ganhou e vai perder /premium

Rui Ramos
305

Porque é que Rui Rio vai perder? Por este pormenor: a manobra de António Costa resultou de uma bipolarização do debate político, notória desde a Guerra do Iraque (2003) e a Grande Recessão (2008).

Rui Rio

A crise do PSD é a crise de todo o regime /premium

Rui Ramos
263

Rio não se distingue dos seus rivais no PSD por quaisquer ideias, mas por uma estratégia – ou melhor, por uma manha. Esta é clara: hostilização àquilo que ele trata como “direita”, e aproximação ao PS

PSD

O nome do vazio /premium

Rui Ramos
414

Se houver mesmo um desafio a Rio, não é para o poupar a derrotas, mas para mudar uma estratégia que pode comprometer o PSD como grande partido. Rio é hoje apenas o nome do vazio que ele próprio criou.

Política

Não, Daniel. Não foi Passos. Foste tu. /premium

Sebastião Bugalho
2.354

Aquilo que Daniel Oliveira critica em Bolsonaro e Ventura – o radicalismo, o ostracizar do outro, os ataques pessoais – é bastante similar ao modo como a esquerda lidou com o anterior governo. 

Donald Trump

Ódio a quem os desmascara

José Mendonça da Cruz
1.106

Porquê esta sanha dos instalados do socialismo, dos fraturantes das margens, do jornalismo de causas contra Orban, Trump, Salvini, Bolsonaro?

Extrema Esquerda

O fascistómetro da Fascislândia /premium

Helena Matos
2.798

Nas redacções e na cabeça de cada um estão instalados os fascistómetros, uns preciosos aparelhos que permitem a cada um saber o que tem de dizer para não ser acusado de fazer parte da Fascislândia 

Política

Salazar /premium

Helena Matos

Os actuais líderes não têm discurso, têm sim objectivos: manter-se ou chegar ao poder, através da popularidade e não da política. Logo precisam do passado e de Salazar para falarem de política.

PSD

Ao centro, o PSD não ganhará eleições /premium

João Marques de Almeida

Rio, que não perde uma ocasião para evocar Sá Carneiro, não aprendeu a sua principal lição: o PSD só chega ao poder quando lidera uma alternativa aos socialistas. Não basta esperar pelo fracasso do PS

PSD

Ao centro, o PSD não ganhará eleições /premium

João Marques de Almeida

Rio, que não perde uma ocasião para evocar Sá Carneiro, não aprendeu a sua principal lição: o PSD só chega ao poder quando lidera uma alternativa aos socialistas. Não basta esperar pelo fracasso do PS

Futebol

Sobre o futuro próximo de José Mourinho

António Bento

No frio e previsivelmente longo Inverno de 2018-2019 a pele de José Mourinho não é boa de se vestir, como se vê por uma parte significativa das suas declarações à imprensa desde que foi despedido.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)