Algumas das mais impressionantes e influentes inovações sociais que conhecemos tiveram origem em situações particularmente desafiadoras: por exemplo, o Aravind Eye Care System nasceu para debelar o evitável e galopante número de casos de cegueira que marcava a Índia nos anos 70; ou o Grameen Bank, banco antipobreza criado pelo Nobel da Paz Muhammad Yunus, que emergiu da necessidade de combater a pobreza crescente gerada pela guerra de independência no Bangladesh.

Apesar de apresentar características diferentes, esta pandemia tem provado que o agravar dos problemas sociais abre de facto a porta aos empreendedores sociais e à criação de soluções poderosas e inovadoras em áreas particularmente afetadas, como é o caso da inclusão digital na Educação, o combate ao isolamento social ou o apoio aos pequenos negócios.

Na área da inclusão digital educativa, o StudentKeep desenvolveu um sistema para angariação e doação de equipamento informático para alunos, contando já com cerca de 1200 computadores distribuídos; o Tools4edu está a ajudar muitos professores, alunos e encarregados de educação na transição digital através dos mais de cem curtos e simples vídeos que disponibiliza sobre a utilização das ferramentas e plataformas digitais necessárias à comunidade educativa.

No isolamento social, rapidamente se montou o projeto SOS Vizinho, que ajuda a sinalizar e a apoiar grupos de risco com a finalidade de distribuição de bens essenciais para que estes não necessitem de sair de casa com frequência. O acalma.online, promovido pela Casa do Impacto, já possibilitou mais de 1000 videoconsultas de apoio psicológico gratuito, online, com o objetivo de aliviar o impacto do confinamento e isolamento social.

No apoio de pequenos negócios, o menos hub criou o movimento #compraaospequenos que conta já com um mapeamento de mais de 450 negócios com ofertas adaptadas à situação de isolamento. O projeto preserve já vendeu mais de 4000 vouchers (no valor de mais de 75.000 €) que vão poder ser utilizados quando os estabelecimentos correspondentes abrirem. O TeamLoan é uma solução inovadora que permite a partilha temporária de trabalhadores e equipas entre empresas.

No futuro, com o progressivo aliviar das restrições, alguns problemas deixarão de existir e, consequentemente, certas soluções poderão deixar de fazer sentido. É, no entanto, importante continuar a unir esforços pelos grandes problemas estruturais que ganharam destaque com a pandemia (como é o caso da saúde mental). Para estes, é importante sustentar e fazer crescer as soluções mais bem sucedidas.

Por outro lado, vão começar a surgir e ganhar relevância novos problemas que precisam, como os atuais, da energia dos empreendedores sociais. Esta vai ser uma excelente oportunidade para não só criar novas soluções, mas para também fortalecer, modernizar e adaptar soluções que funcionaram bem no passado, por exemplo, no combate ao desemprego e às desigualdades sociais.

Finalmente, não nos podemos esquecer dos problemas que perderam destaque com a pandemia (como é o caso, por exemplo, da exclusão social de refugiados e migrantes). É importante não esquecer que estes terão tendência a intensificar-se e vão continuar a precisar muito do esforço de todos para criar soluções inovadoras.

Confiamos no impressionante movimento Tech4covid (onde nasceu grande parte das soluções descritas em cima) e plataformas de partilha e co-criação de soluções inovadoras, tal como a Patient Innovation, para continuar esta pandemia de… empreendedorismo social.

Para lidar com o presente e com o desafiante futuro próximo que se avizinha, a solidariedade terá de ser o ingrediente fundamental.

João Cotter Salvado obteve o seu doutoramento em Estratégia e Empreendedorismo na London Business School, e é atualmente Professor Auxiliar na Católica Lisbon School of Business and Economics. Tem 35 anos, é casado e tem quatro filhos. Juntou-se ao Global Shapers Lisbon Hub em 2013.

O Observador associa-se aos Global Shapers Lisbon, comunidade do Fórum Económico Mundial, para, semanalmente, discutir um tópico relevante da política nacional visto pelos olhos de um destes jovens líderes da sociedade portuguesa.  O artigo representa a opinião pessoal do autor, enquadrada nos valores da Comunidade dos Global Shapers, ainda que de forma não vinculativa.