Sábado

Segundo o presidente do Sporting, só os que se fazem de malucos alcançam o sucesso. Caso a tese se confirme, o indivíduo obterá mais êxito do que as batatas fritas. Um destes dias, numa das múltiplas intervenções com que regularmente brinda o público, o sr. Bruno de Carvalho confessava desconhecer o paradeiro da filha, tragédia que o levou a tomar medidas imediatas: uma conferência onde divagou, durante duas horas e meia, sobre fragmentos incompreensíveis de assuntos insondáveis – nenhum relacionado com a criança. Quando descer a rua em pelota e com uma galinha ao ombro, as pessoas acharão tratar-se de um momento particularmente lúcido.

Domingo

Os organizadores de um almoço “celebrativo” do “eng.” Sócrates esperavam 300 convivas. Apareceram 100. É fácil gozar com o desesperado empenho dos presentes, mas será mais útil lembrar a coerência dos ausentes, as incontáveis criaturas que em incontáveis ocasiões recusaram ver o saque público e particular de que o país era alvo. Hoje, essa recomendável gente continua a contestar as evidências, agora ao lado de quem distribui os brindes materiais ou simbólicos que o “eng.” Sócrates lhe proporcionou um dia. Não é por acaso que o largo é do Rato. E é larguíssimo.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.