António Costa

António Costa sem “nenhum indício” de favorecimento político à Raríssimas

António Costa não comentou o caso da associação Raríssimas, dizendo que não reage porque não tem "nenhum indício" de favorecimento político. Afirmou ainda confiar no trabalho de Vieira da Silva.

STEPHANIE LECOCQ/EPA

O primeiro-ministro recusou esta sexta-feira comentar, em Bruxelas, suspeitas sobre um eventual favorecimento político na atribuição de subsídios à Raríssimas, uma Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS), alegando não ter “nenhum indício” nesse sentido.

“Não reajo porque não tenho nenhum indício disso”, limitou-se a dizer, quando questionado sobre o assunto na conferência de imprensa no final de uma cimeira de chefes de Estado e de Governo da União Europeia.

Na quinta-feira, o chefe de Governo comentou pela primeira vez o caso de alegada gestão danosa na associação de solidariedade social Raríssimas — Associação Nacional de Doenças Mentais e Raras, que já levou à demissão de um membro do Governo, o secretário de Estado da Saúde, Manuel Delgado.

António Costa manifestou “total confiança política” no ministro do Trabalho, Segurança Social e Solidariedade, Vieira da Silva, considerando que o facto de ter este sido vice-presidente da assembleia-geral da Raríssimas (2013-2015) não macula “de alguma forma” a sua excelente atividade governativa.

O primeiro-ministro salientou também que não se pode confundir factos, de natureza criminal ou não, que tenham sido praticados por uma direção “que aliás já cessou funções”, com a “excelência do trabalho que a instituição tem desenvolvido ao longo de anos”, e garantiu que o Estado “tudo fará” dentro das suas possibilidades para assegurar a continuidade da atividade da Raríssimas.

Questionado neste dia igualmente sobre um outro caso revelado por uma investigação jornalística da TVI, a alegada rede de adoções ilegais de crianças ligada à Igreja Universal do Reino de Deus, que mereceu a abertura de um inquérito por parte do Ministério Público (MP), António Costa também foi parco em palavras, apontando que “se o MP abriu um inquérito, não faz mais do que a sua obrigação”.

“Quando há a suspeita de um crime, [o MP] tem a obrigação de abrir um inquérito, não faz mais do que a sua obrigação”, concluiu.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ribeiro e Castro

O apagamento da história e o futuro do CDS

Abel Matos Santos

Agora que o PSD escolheu Rui Rio, defensor da eutanásia, o CDS só poderá afirmar-se e ganhar espaço se deixar o pragmatismo envergonhado que o separa da afirmação plena da razão para o qual foi criado

Rui Rio

O líder da oposição

Maria João Avillez
112

Se o PSD fizer escolhas mais adequadas à nossa realidade e às suas circunstâncias em vez de alinhar na semi-ficção do país das maravilhas onde garantem que vivemos já estará a ser diferente. E melhor.

Debate

Desimportantizar os caraoqueiros

Paulo Tunhas

O pensamento-karaoke funciona como obstáculo a que se procure entender o que se passa à nossa volta. Os caraoqueiros estão-se, de resto, nas tintas. Só querem caraocar mais alto do que os outros.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site