Pedro Passos Coelho

Alto risco

Autor
493

Não é verdade que todos os dias a geringonça rescreve a história da anterior governação fazendo, com indecência e veneno, uma ficção do que ia sendo uma tragédia real?

Não se impacienta, não se inquieta, não se espanta, não se altera. Ignora rumores, é alheio à intriga, descarta o que dizem dele, bem ou mal, mal ou bem. Parece nada esperar mas talvez espere tudo. Passos Coelho confunde? Sim, para dizer o mínimo.

Ou seja: ei-lo a usar hoje os mesmíssimos instrumentos de navegação que usou na travessia 2011/2015. Fornecidos quer pela sua própria natureza, quer pela crueza das circunstâncias da viagem, os instrumentos revelaram-se, sabemo-lo bem, indispensáveis ao mau tempo de então. E a avaliar pelos votos e resultados obtidos, a liderança sem estados de alma e os instrumentos provaram acerto: quatro anos depois Passos Coelho voltou a ser o primeiro.

Não me interessa, neste momento, saber se uns já esqueceram a dureza e crueza da viagem, se outros ainda acham que a rota deveria ter sido “diferente” ou se outros ainda exultam com selfies e “ronaldices”, achando hoje a vida mais bela que ontem.

O que me interessa agora – quando a travessia já não é a mesma, nem os mares iguais – é abordar o (arriscado) critério oposicionista de Passos Coelho. Uma escolha que produz legitimas dúvidas e consente demasiadas perplexidades ao persistir o líder do PSD no uso dos mesmos instrumentos de navegação e acreditando até na sua bondade. Acreditando contra ventos e marés (dos quais não toma nota); contra aquilo que se acha a lógica das coisas (mas ele não acha); contra o que recomendaria o menu do bom opositor (mas ele não o lê).

Contestação interna? Tardias soluções autárquicas? Falta de resposta? Falta de discurso? Falta de escolhas? Não. Primeiro, a liderança tem o seu ritmo: esperar com infinita paciência que o mundo comungue do seu desagrado e dê razão às suas críticas. Sem estados de alma uma vez mais, tal a certeza que esse dia chegará e seja quem for que lá esteja sentado na chefia das tropas; segundo, também tem os seus calendários: decide quando quer e não em função da jocosa solicitude da opinião publicada, supostamente “preocupada” com os “atrasos” do PSD na questão autárquica. Só quando se tornou evidente que a concelhia de Lisboa não resolvia o problema da capital é que a liderança interveio. Não que ela achasse que teria sido conveniente mais pressa na escolha e divulgação de candidatos. Pelo contrário: “não achava de todo” (Passos Coelho dixit), por não encontrar sombra de “utilidade” nessa reclamada antecedência. Por outras palavras: entregar, escolhas e escolhidos, às vozes do mundo e deixá-los meses a fio ao lume da crítica, da enviesada exposição mediática e da intriga… para quê?

E finalmente o PSD, sim, tem um discurso que usa, aplica e pratica. É que ao contrário do que diz o poder e os seus companheiros da esquerda radical, as intervenções de Pedro Passos Coelho não visam estragar a festa da geringonça mas demonstrar que é a festa que está estragada de origem. Veio com defeito de fabrico. O defeito – e o fabrico – dispensam o PSD de mudar a lógica, a linha e o fundamento do seu discurso e porventura ainda mais, de procurar outro.

E quanto à falta – gritante, a meu ver – da outra metade do discurso, isto é, de futuro ou de algo de parecido com “o que ele faria no futuro se”, Passos Coelho cuida e zela pela herança que deixou, que é outro modo de falar do futuro: não é verdade que todos os dias a geringonça rescreve a história da anterior governação fazendo, com indecência e veneno, uma ficção do que ia sendo uma tragédia real? Que adultera, manipula e falseia dados, números, factos, informação, de modo a não deixar pedra sobre pedra da história e da herança da coligação?

Assim sendo, ocupa-se ele dessa história. E sem nunca abrir mão, nem baixar a guarda, ressuscita a herança. E se é a “isso” que o governo, o poder, a esquerda e os mal pensantes chamam “falar sempre do passado”, sim, o líder do PSD conta-nos como ele foi e não como dizem “falsamente” que ele foi. Quem porém não estiver distraído (ou obcecado com a duração da sua liderança que atrasa o ansioso desejo de um bloco central) notará que ele igualmente fala, claro está, do presente . Do presente da geringonça. Das suas manhas e artifícios, da sua agenda para o país, dos seu ilusórios feitos. Do permanente “fingimento” que tudo está bem, a andar bem, na “melhor direcção”.

Por tudo isto, Passos nem se acha – e ainda menos se olha – como estando acrisolado num casulo. Vai a meio da viagem. Quem o achar “isto” ou “aquilo”, que o combata no PSD e lhe ganhe. Sub-entendido: e que vença depois as eleições.

Imperturbável, fleumático, solitário, com alguma cansada ironia, resiliente e resistente (não é a mesma coisa) está bem armado para a vida, comporte ela vitórias ou derrotas. Já provou as duas. É o suficiente? Já o foi, talvez volte (ou não volte?) a sê-lo, a política não se compadece com certezas antecipadas,

Em resumo: uma agenda oposicionista de altíssimo risco, um caminho armadilhado pelo próprio Passos Coelho, olhados ambos, – agenda e caminho – com pasmo. Até no ressentimento ou no desprezo altivo com que é interpelado no parlamento se escondem muitos gramas de pasmo: a escolha da rota confunde companheiros, adversários, amigos e até inimigos. Um caso que certamente não nos desinteressará até ao seu desfecho.

Agora percorre o país (autárquicas oblige), não se sabe se com mais paciência que gosto, mas isso nunca se saberá, é demasiado reservado para isso e o hábito do dever pesaria sempre mais que uma súbita preguiça ou um inesperado entorpecimento.

O que se sabe é que não mudará. Não lhe dará jeito fazê-lo, valha isso o que valer na sua vida política e na do PSD. Mas que tudo isto, que é quase um mistério, encerra um tremendo “enjeu”, é verdade. A menos que a ironia cansada seja pela primeiríssima vez a exposição de um estado de alma, que não seria senão um sinal .

E nesse caso… Nesse caso a história teria de ser contada de outra maneira.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Reino Unido

Dois desastres e um casamento

Maria João Avillez

Michel Barnier, o negociador-chefe da UE para o Brexit, parece de vez em quando pôr veneno no diálogo com Londres. Mas esta responde por vezes com um grau de amadorismo ou impreparação estarrecedores.

Medicina

Monumentos nacionais

Maria João Avillez
133

Foi o reencontrar da simplicidade que costuma definir quem convive naturalmente com o seu próprio saber e faz dele um serviço. Sessão memorável, um Portugal digno de registo.

Função Pública

Os bons alunos

Maria João Avillez
319

A plateia do país percebeu muito bem que não fora o insignificante resultado eleitoral do PC e Jerónimo não cuidaria hoje com tanto afã e tamanho zelo da função pública.

Orçamento do Estado

O pior da política

Rui Ramos
901

Aos que agora descobriram que o “fim da austeridade” é afinal a “rendição à Fenprof”, é preciso perguntar: que esperavam que António Costa fizesse para se manter no governo?

António Costa

Pelos caminhos de Portugal

Paulo Tunhas

António Costa acha que “este ano foi particularmente saboroso para Portugal”. Houve, é verdade, os mortos dos fogos, houve Tancos, houve o caso da Raríssimas. Mas que importa isso?

IPSS

O PS é incorrigível

Manuel Villaverde Cabral

Se não houve vigilância financeira, quem nos diz que há vigilância médica e técnica competente? A Segurança Social, a par da Função Pública, continua pois a ser grande fonte de clientelismo do Estado.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site