A Casa Branca saudou hoje a decisão do Presidente russo, Vladimir Putin, de pedir ao parlamento de Moscovo que revogue a autorização, dada em março, para uma intervenção militar na Ucrânia. Citado pela agência France Presse, o porta-voz da presidência norte-amerciana, Josh Earnest, acrescentou que a administração Obama mantém, porém, as ameaças de sanções contra a Rússia até se provar a mudança de atitude quanto à Ucrânia.

“Nós saudamos qualquer iniciativa russa para acabar com a crise na Ucrânia, incluindo a decisão do Presidente Putin de pedir à Duma para revogar a resolução para permitir uma intervenção das forças russas na Ucrânia “, afirmou Josh Earnest, em conferência de imprensa.

A administração norte-americana manifestou satisfação pela aceitação do acordo de cessar-fogo por parte dos separatistas, mas avisou que se nos “nos próximos dias estas palavras não forem seguidas de ações, será problemático”.

Desde abril que decorrem combates entre insurgentes apoiados informalmente pelo exercito russo e as forças ucranianas, que resultaram em mais de 400 mortos e ameaçam a unidade territorial do país, depois da anexação da Crimeia pela Rússia, no mês de março.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Em Viena, Vladimir Putin afirmou, entretanto, que uma trégua de sete dias na Ucrânia é insuficiente e defendeu a necessidade de discussões políticas substanciais. “Um cessar-fogo de sete dias não é suficiente. Precisamos de negociações reais, acompanhadas de diálogos diplomáticos”, defendeu Putin, acrescentando que ainda não se tomaram “medidas suficientes para encontrar uma saída definitiva da crise”.

“Deve-se prolongar a trégua e haver discussões substanciais”, afirmou o Presidente russo numa conferência de imprensa.