O candidato às primárias do PS António Costa criticou a “política do pisca-pisca” e rejeitou que o partido seja envolvido numa discussão sobre eventuais coligações governamentais, pois “não pisca nem à direita, nem à esquerda”.

“O maior sinal da fraqueza do PS, não sei se têm reparado, é que, nas últimas semanas, voltámos àquela discussão que eu já há muitos anos não ouvia, coligam-se à esquerda ou coligam-se à direita”, disse.

Por “há tantos anos” não ouvir abordar este tema, António Costa disse ter-se lembrado de um discurso antigo que proferiu “contra a política do pisca-pisca”, ou seja, sobre “se o PS pisca à esquerda ou se pisca à direita”.

Mas, frisou o candidato a secretário-geral socialista, o PS é um partido que “não pisca-pisca”, isto é, “não pisca nem à esquerda nem à direita”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“O PS é um partido nacional que se dirige a todas e a todos os portugueses” e é com eles “que quer construir uma maioria que permita fazer a mudança” necessária ao país, argumentou.

António Costa discursava numa sessão com militantes e simpatizantes socialistas de Évora, terça-feira à noite, no Teatro Garcia de Resende.

Na sessão, Costa interveio durante mais de meia hora, com “recados” internos, mas também propostas próprias de um candidato a primeiro-ministro.

Perante os militantes e simpatizantes do partido, com a presença de quatro dos cinco presidentes de câmara socialistas da região (Reguengos de Monsaraz, Viana do Alentejo, Portel e Vendas Novas, tendo a de Mourão faltado por estar de férias), o candidato defendeu que o país precisa de um “governo forte”, o que implica “um PS forte”.

Uma “mudança” que António Costa disse reclamar para Portugal e que “não se faz nem com um partido fraco, nem com uma coligação de partidos fraquinhos”.

“Não podemos querer simplesmente o poder pelo poder, substituir os ministros do PSD pelos ministros do PS ou, pior ainda, misturar ministros do PS com ministros do PSD a ver se fazem um governo que se apresente”, rejeitou.

O “tempo de vigência” da atual coligação PSD/CDS-PP “acabou” e, “se os portugueses querem uma mudança, precisam do PS”, mas o partido, para corresponder a isso, não pode “dar agora uma ‘mãozinha’ ou pedir agora uma ‘mãozinha’ ao PSD” para continuar com a política que foi rejeitada “muito claramente nas urnas”, argumentou.

E o PS “não pode ter dois discursos conforme lhe dá jeito”, alertou o candidato à liderança, apontando como exemplo os serviços públicos e a administração pública.

“Não pode dizer à segunda, terça, quarta e sexta que é muito importante a proximidade dos serviços públicos e a representação de todo o território nacional no conjunto da administração pública e, depois, porque dá jeito para ganhar votos, prometer que vai reduzir o número de deputados”.

A “primeira e imediata consequência” dessa medida seria “eliminar da Assembleia da República a representação parlamentar dos distritos do interior e de baixa densidade populacional”, alertou.