Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

No último mês, a média de temperatura registada na superfície terrestre e marítima ficou nos 16.2 ºC. Escrito assim, parece tudo menos quente. O valor, contudo, representa a temperatura mais elevada de sempre em junho, desde 1880, quando os registos começaram — foi até superior em 0.72 ºC à média do século XX. Algo que já acontece há 38 anos seguidos, segundo a NOOA (na sigla inglesa), a agência oceonográfica e meteorológica dos EUA. Em 2014, aliás, este foi o segundo mês que conseguiu fixar um novo máximo de temperatura. E logo de maneira consecutiva. Em maio, a entidade registou uma média de 15.5 ºC, superior em 0.74ºC à média do século passado.

Em comunicado, a NOOA lembrou que “nove dos últimos 10 junhos mais quentes ocorreram no século XXI”, acrescentando que, à exceção de fevereiro, “todos os meses de 2014” ficaram no top4” dos mais quentes “nos seus respetivos meses”. Este foi o 352.º mês seguido mais quente do que a média registada desde 1880.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR