A decisão da Nyse Euronext, a gestora da bolsa portuguesa, aconteceu depois de no domingo, 03 de agosto, o Banco de Portugal ter tomado o controlo do BES, que foi extinto nesse dia tal como era conhecido até então. As ações do BES saem do PSI20 a zero euros (0,00Euro), valor tido como preço de referência para cálculos de carteira.

Apesar de só agora saírem do PSI20, as ações do BES estão suspensas de negociação já há mais de uma semana, desde sexta-feira 01 de agosto, numa decisão tomada pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Os dias que antecederam a decisão do regulador do mercado foram de grande volatilidade para as transações do banco fundado pela família Espírito Santo e, só nos 42 minutos antes da suspensão de negociação, foram comercializadas 83 milhões de ações do banco.

O elevado volume e a intensa volatilidade de negociações de ações do BES nessa sexta-feira já levou a CMVM a abrir uma investigação para saber se houve fugas de informação.

Este tema parece ter mesmo aberto uma ‘frente de batalha’ entre a CMVM e o Banco de Portugal, com a CMVM a já ter feito dois comunicados em que esclareceu que só tomou a decisão de suspender as ações do BES naquela sexta-feira pelas 15:42 porque só nesse momento teve “conhecimento de iminentes desenvolvimentos que vieram a ser conhecidos durante o fim-de-semana” a propósito da solução para o BES.

Garantiu ainda a entidade liderada por Carlos Tavares que desconhecia na altura outras decisões que, “tudo indica”, influenciaram os preços dos títulos.

Já no Parlamento, o governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, afirmou que a CMVM esteve sempre informada quanto ao que estava a ser preparado para o BES e disse que a hipótese de aplicar uma medida de resolução ao banco só foi colocada em cima da mesa depois do fecho do mercado de sexta-feira 01 de agosto.

Segundo Carlos Costa, o que o Banco de Portugal sabia ao início da tarde dessa sexta-feira era que tinha até segunda-feira para encontrar uma solução para o BES, isto porque nesse dia, à hora de almoço, o Conselho de Governadores do Banco Central Europeu (BCE) decidiu por teleconferência suspender o acesso do BES às operações de política monetária com efeitos até 04 de agosto (segunda-feira seguinte).

Na noite de domingo 03 de agosto, o Banco de Portugal tomou o controlo do BES e anunciou a separação da instituição em duas.

O chamado banco mau (‘bad bank’) ficou com os ativos e passivos tóxicos do antigo BES e, apesar de se continuar a chamar BES, não tem licença bancária e está em liquidação. É também no ‘bad bank’ que ficam os cerca de 30 mil acionistas do BES, que deverão perder tudo ou quase tudo.

Já no ‘banco bom’, o chamado Novo Banco, ficaram os ativos e passivos considerados não problemáticos do ex-BES, recebendo esta nova instituição financeira uma capitalização de 4,9 mil milhões de euros através do Fundo de Resolução bancário.