Infalível nos segundos anos dos seus diversos ciclos, o treinador português José Mourinho parte com ambições reforçadas para a edição 2014/15 da Premier League, mas o Chelsea tem concorrência forte e numerosa.

O Manchester City, campeão em título, o Liverpool, segundo classificado, o Arsenal, que já venceu os citizens na Community Shield (Supertaça de Inglaterra) e o Manchester United, agora liderado pelo holandês Louis van Gaal, são os principais e é preciso também não esquecer outsiders como Everton ou Tottenham.

“Mou”, porém, também tem uma equipa capaz de lutar pelo cetro: depois do terceiro posto de 2013/14, chegaram Courtois, Filipe Luis e Diego Costa, do Atlético de Madrid, Cèsc Fabregas, do FC Barcelona, além de Didier Drogba, avançado costa-marfinense, que regressou ao clube, após sair em 2011.

Em matéria de saídas, destaque para o central David Luiz e o histórico Frank Lampard. Mas, no dever e haver, os londrinos estão mais fortes e parecem prontos para lutar pelo quinto título, após os de 1954/55, 2004/05, 2005/06 e 2009/10, metade, os do meio, com Mourinho ao comando.

O técnico luso tem mais armas e tem do seu lado a história: venceu sempre o campeonato no segundo ano de todos os seus ciclos, o que aconteceu no FC Porto, na primeira passagem pelo Chelsea, no Inter de Milão e até no Real Madrid, superando, em 2011/12, o FC Barcelona, de Guardiola.

O Chelsea não é, ainda assim, o principal candidato ao título, estatuto que deve ser entregue ao Manchester City, que não perdeu qualquer dos seus jogadores importantes e reforçou-se, nomeadamente com os portistas Mangala e Fernando, além de Caballero, Sagna e… Lampard, que atuará nos campeões até rumar ao New York City, em janeiro.

O chileno Manuel Pellegrini, que foi campeão logo na temporada de estreia, tem agora pelo menos dois grandes jogadores para cada posição, um luxo que nenhum dos outros concorrentes ao título se pode orgulhar de ostentar.

Os pequeninos David Silva, Nasri e Aguero continuarão a ser, juntamente com o costa-marfinense Yaya Touré, as referências dos citizens, que correm pelo quinto título e terceiro nos últimos quatro anos — também ganharam em 1936/37 e 1967/68.

Por seu lado, o vice-campeão Liverpool, que desespera por um cetro que não conquista desde 1989/90 e que, na época passada, esteve perto de conquistar — terminou a dois pontos do Manchester City. O clube, aliás, perdeu a sua maior referência, o uruguaio Luis Suarez, que marcou 31 golos na Premier League e rumou ao Barcelona.

Os reds perderam o melhor marcador da Premier League — e da Europa, em igualdade com o português Cristiano Ronaldo, com 31 golos –, mas mantiveram o segundo (Daniel Sturridge), bem como as restantes armas que levaram o onze de Brendan Rodgers ao segundo posto e à Liga dos Campeões.

Além disso, o conjunto de Liverpool efetuou várias contratações. O ex-benfiquista Lazar Markovic foi uma delas, a troco de 25 milhões de euros, mas também com Rickie Lambert, Adam Lallana, Emre Can, Javier Manquillo, Dejan Lovren ou Alberto Moreno, mantendo a aposta em chegar ao 19.º cetro. Ao todo, o clube gastou cerca de 130 milhões de euros em contratações.

Por seu lado, o Arsenal, com Arsene Wenger desde 1996/97, perdeu Sagna e Vermaelen, mas foi buscar Alexis Sanchez, ao FC Barcelona, Debuchy e Ospina, fazendo ainda regressar Joel Campbell, pelo que se perfila também como candidato, com Özil, Wilshere, Ramsey, Mertesacker, Podoski, Giroud ou Walcott.

Depois do pobre sétimo posto, na primeira época pós Alex Ferguson — David Moyes nem acabou a temporada -, o Manchester United apostou em Louis Van Gaal para chegar ao 21.º título e também parece capaz de o fazer.

O holandês já aplicou nos red devils a famosa defesa a três que a laranja mecânica ostentou no Mundial 2014, rumo ao bronze, num plantel que já recebeu Luke Shaw e Ander Herrera, mas não parece fechado, igualmente a saídas, porta na qual parece estar o internacional luso Nani.

Com o adeus de Vidic – além Ferdinand e Evra -, Wayne Rooney é agora o capitão do Manchester United, ao qual não faltam outros grandes jogadores, como De Gea, Ashley Young, Valência, Mata, Welbeck, Van Persie ou o miúdo Januzaj.

O Everton, de Roberto Martinez, será sempre uma ameaça para os melhores, com Tim Howard, Leighon Baines, Gareth Barry, Ross Barkley, Romelu Lukaku ou Kevin Mirallas, tal como o Tottenham, agora com o argentino Mauricio Pochettino ao comando, com Lloris, Paulinho, Lennon, Eriksen ou Soldado.

A primeira jornada da edição 2014/15 da Liga inglesa de futebol arranca no sábado e prolonga-se até segunda-feira, com a deslocação do Chelsea ao reduto do Burnley, um dos promovidos, juntamente com Leicester e Queens Park Rangers (QPR).