Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Pedro Passos Coelho tentou convencer os juízes do Tribunal Constitucional (TC) que apesar de Portugal ter saído do plano de ajustamento da troika, continua a ter obrigações de metas orçamentais impostas por Bruxelas e que, por isso, a interpretação da Constituição da República deveria “ser feita de modo a minimizar o mais possível os riscos de conflito” com as normas vindas da União Europeia (UE). Mais, lembrou que as recomendações do Conselho da UE, que apontaram a necessidade de redução da despesa do país, são atos jurídicos. O TC respondeu em forma de chumbo dizendo que os seus parâmetros são os mesmos do Direito Europeu, mas não elaborando muito sobre o Tratado Orçamental.

Juntamente com as leis da Contribuição de Sustentabilidade e dos cortes nos salários, seguiu para o Ratton uma nota técnica do Governo – que este disponibilizou agora no seu site -, que avisava os juízes das repercussões que o chumbo destas medidas teriam nas obrigações que o país tem vindo a assumir com a União Europeia, especialmente no que diz respeito às Recomendações do Conselho da UE de 2013 e 2014 e ao Tratado Orçamental.

Nestes dois anos, estas recomendações apontaram a necessidade de “reduções suplementares da massa salarial” e “um controlo rigoroso das despesas da administração central, regional e local” para o país atingir em 2015 um défice de 2,5%. Com esta meta em mente, o TC já disse, em acórdãos passados, que a estratégia para a atingir é uma decisão interna de cada Estado-membro e que, por isso, não devia incidir sobre as pensões ou sobre os funcionários públicos, sugerindo antes que isso devia ser feito aumentando impostos.

Nesta nota técnica, o Governo explica que Portugal está vinculado à diminuição da despesa pública, sublinhando mesmo que as Recomendações “não são desprovidas de efeitos jurídicos”, dando exemplos em que que o Tribunal de Justiça Europeu deu valor jurídico a estas indicações.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“É legítimo considerarmos que estamos perante Recomendações dotadas de vinculatividade jurídica para os Estados-membros a quem estas se dirigem. Essas Recomendações como que completam, em substância, Regulamentos europeus que são inequivocamente dotados de caráter vinculativo”, conclui o Governo.

Para reforçar esta posição, o Governo lembrou que não cumprir as metas e não adotar medidas previstas nestas recomendações implica a aplicação de sanções para esse Estado-membro. No entanto, não foi este o entendimento do Tribunal Constitucional que alegou no acórdão sobre os cortes dos salários que cada Estado é livre de decidir onde e como corta na despesa, dando apenas abertura para justificar os cortes até 2015 com o procedimento de défice excessivo. “A vinculatividade do Direito da União Europeia neste domínio não abrange os meios que os Estados-membros utilizam para atingir os objetivos ou metas que lhes são impostos”, escreveu o juiz João Caupers, relator deste acórdão, sem se pronunciar sobre o Tratado Orçamental, o qual impõe metas para os anos seguintes.

Sobre o Tratado Orçamental, o Governo escreve que trata-se de um “tratado inter-governamental que está intimamente relacionado com o Direito da UE, em particular ao estabelecer obrigações que são depois vertidas em atos da UE”. A nota lembra que o Tratado, subscrito também pelo PS, “estabelece um conjunto de regras de equilíbrio orçamental e prevê apertados mecanismos de fiscalização e correção”.

A Constituição e o Direito Europeu em rota de colisão

Na nota enviado ao Tribunal Constitucional, o  Governo disse não querer começar um debate sobre o “primado absoluto” do Direito Europeu face à Constituição ou vice-versa – até porque diz que não há “uma resposta clara” para isso -, afirmando que sobre as medidas em análise é “suficiente e preferível […] assumir-se apenas que a interpretação da Constituição da República Portuguesa deve ser feita de modo a minimizar o mais possível os riscos de conflito entre esta e o Direito da UE“.

Uma assunção que não encontrou resposta positiva no Ratton. No acórdão, os juízes que “não há sequer divergência entre o Direito da União Europeia e o Direito Constitucional Português” sobre os princípios genéricos que protegem os seus cidadãos. “Os princípios constitucionais da igualdade, da proporcionalidade e da proteção da confiança, que têm servido de parâmetro ao Tribunal Constitucional para aferir da constitucionalidade das normas nacionais […], fazem parte do núcleo duro do Estado de direito, integrando o património jurídico comum europeu, a que a União também está vinculada”, escreveu Caupers.

Mesmo afirmando na sua nota técnica que não queria entrar neste debate, o Executivo defende a vinculação do país às recomendações comunitárias ao citar a juíza do TC Ana Maria Gurra Martins que, no seu livro “Curso de Direito Constitucional da União Europeia”, escreve que “o Estado português quando ratificou o Tratado de adesão, se comprometeu a cumprir o primado do direito comunitário”. Ana Guerra Martins votou favoravelmente a manutenção dos cortes em 2014 e 2015 e rejeitou os cortes nos anos seguintes.

Documentos