O primeiro-ministro polaco e próximo presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, comprometeu-se neste sábado a evitar que a União Europeia (UE) se divida “entre o grupo da zona euro e os outros” e estendeu a mão ao Reino Unido. “Nos últimos anos dei o meu melhor para que a UE não se divida entre a zona euro e os outros e continuarei a fazê-lo”, disse Tusk, em conferência de imprensa após o anúncio da sua nomeação para o cargo, pelos chefes de Estado e de Governo dos 28. “Encaro como minha responsabilidade lutar contra esta divisão por clubes”, disse.

Sobre o conflito na Ucrânia, Tusk sublinhou que a UE tem que chegar a uma posição comum, reconhecendo ser “normal que haja sensibilidades diferentes”. “O importante agora é trabalharmos em torno de uma solução corajosa e eficaz para se chegar à paz, que é o nosso objetivo”.

Na conferência de imprensa, o ainda primeiro-ministro polaco estendeu a mão ao líder britânico, David Cameron: “ninguém razoável pode imaginar a UE sem o Reino Unido”. O primeiro-ministro britânico quer referendar a permanência do país na UE e é um contestatário da política de livre circulação de pessoas.

Reconhecendo ter aprendido com o atual presidente do Conselho Europeu, Herman Van Rompuy, a importância de se construírem compromissos, Tusk sublinhou que até dezembro, quando assume o cargo, vai melhorar os seus conhecimentos de inglês. Tusk é primeiro-ministro da Polónia desde 2007 e sucede a Van Rompuy no dia 01 de dezembro num cargo criado pelo Tratado de Lisboa.