Rádio Observador

Estado Islâmico

Monumentos espanhóis aparecem nas redes sociais com a bandeira do Estado Islâmico

808

O sonho de estabelecer um califado do século XXI inclui a reconquista da quase totalidade da Península Ibérica e as mensagens nesse sentido estão a aumentar.

O Estado Islâmico já domina várias partes do território sírio e iraquiano

AFP/Getty Images

Montagem de bandeiras do Estado Islâmico do Iraque e do Levante em monumentos espanhóis, vídeos sobre a conquista de quase toda a Península Ibérica e o aparecimento real de bandeiras em território espanhol. Os militantes do Estado Islâmico sonham conquistar a Al-Andalus.

Falando a partir da Síria, em espanhol, o interveniente árabe de um vídeo publicado pelo El Mundo avisa que vive sob a bandeira islâmica e que morrerá por ela. As conquistas vão “de Jacarta à Andaluzia. “E digo-vos, Espanha é a terra dos nossos avós e vamos abri-la, se Deus quiser, com o poder de Alá”.

O jihadista foi identificado como Nouredin Majdoubi e é do norte de Marrocos, o país magrebino mais próximo de Espanha. O jornal El Mundo refere que já mais de 1.200 marroquinos aderiram ao Estado Islâmico. Assim como meia centena de espanhóis ou estrangeiros residentes em Espanha.

Espanha esteve sob domínio árabe durante oito séculos (VIII a XV). O objetivo de muitos apoiantes do Estado Islâmico do Iraque e do Levante parece passar por recuperar para o Islão todas as terras que em tempos foram dominadas por muçulmanos e, por isso, integravam o califado, onde se inclui o Al-Andalus – território em Portugal e Espanha. Foram os tempos áureos do império árabe.

Na terça-feira, o partido Plataforma por Catalunya denunciou o aparecimento de uma bandeira do Estado Islâmico à entrada de Salt, em Girona.

bandeira isis espanha

Uma bandeira do EIIL apareceu à entrada de Salt. ©Plataforma por Catalunya (PxC)

Outra modalidade escolhida pelos fanáticos do grupo terrorista consiste em inundar a rede de mensagens instantâneas Twitter com fotomontagens de monumentos históricos erigidos nos tempos da Espanha muçulmana, como o Palácio da Aljafería, em Saragoça, ou a Alhambra, em Granada, com a bandeira do EIIL em frente ao edifício e a incrição “somos todos o Estado Islâmico”.

bandeira isis espanha

A bandeira do EIIL colocada num monumento espanhol. ©El Mundo

“Espanha faz parte dos objetivos estratégicos da jihad global”, admitiu em março o Ministro do Interior espanhol, Jorge Fernández. A 11 de março de 2004, Madrid sofreu um ataque terrorista de uma célula da al-Qaeda, organizado por Amer Azizi, um marroquino casado com uma espanhola.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Novo Acordo Ortográfico

Uma comunidade às avessas

José Augusto Filho

Da forma em que foi conduzido, o Acordo serve mais para enfraquecer a língua de Camões do que para disseminá-la. Quanto aos ganhos políticos e económicos esperados, foram até agora praticamente nulos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)