Mundo

Nova sondagem diz que escoceses preferem a independência

A diferença são dois pontos percentuais, mas é a primeira vez que acontece: o 'sim' ganha ao 'não' com 51% dos votos, segundo a sondagem YouGov para o Sunday Times.

Há um mês, as sondagens revelavam que a campanha pelo "Sim" tinha uma desvantagem de 14 pontos percentuais face ao "Não"

Mark Runnacles

Há uma sondagem que dá, pela primeira vez, uma ligeira vantagem à campanha pela independência escocesa, avança o The Guardian. A diferença nos votos, segundo a sondagem do YouGov, para o Sunday Times, é de dois pontos percentuais, com a campanha pelo ‘sim’ a captar 51% das preferências do eleitorado.

Estas sondagens devem servir como um ‘abre olhos’ para aqueles que achavam que o resultado do referendo já estava dado como garantido”, disse Alistair Darling, líder da campanha Better Together.

A publicação britânica diz ainda ter conhecimento que a campanha anti-independência está a preparar uma intervenção para deter o movimento pelo ‘sim’, no referendo de 18 de setembro. O plano é convidar várias figuras da sociedade escocesa para participarem numa conferência ou convenção, e decidirem, numa escala maior, as transferências de poder entre Londres e Holyrood.

A conferência está a ser planeada pelos membros dos vários partidos, segundo o The Guardian. O objetivo é o de garantir aos eleitores que, se rejeitarem a independência, não vão ficar apenas com o status quo, indicando que vão surgir mudanças de grande envergadura constitucional.

Se o ‘sim’ ganhar é uma “revolta impressionante”

Nos últimos meses, os independentistas têm vindo a ganhar terreno e esta é a primeira vez que ultrapassam os unionistas, que estão “desesperadamente” a procurar formas de aproveitar os últimos 11 dias de campanha em falta. Há um mês, as sondagens indicavam que o movimento pró-Independência escocesa tinha uma desvantagem de 14 pontos percentuais face ao pró-União.

Se o ‘sim’ à independência ganhar, diz a publicação, a Escócia está perante uma reviravolta “impressionante”, que poderá desencadear a maior crise constitucional que já se viveu nos 300 anos de história da união. Contudo, a dúvida persiste. Uma sondagem levada a cabo pela Panelbase para a Yes Scotland dá conta de que o ‘não’ vence o ‘sim’ em quatro pontos percentuais, se forem excluídos os eleitores indecisos. O resultado final é de 52% contra 48 por cento.

Rupert Murdoch, lider da News Corp, chegou mesmo a afirmar na sua conta de Twitter, antes de se saberem os resultados da última sondagem, que estes seriam um “choque” para a Grã-Bretanha.

À medida que o ‘sim’ ganha terreno entre os escoceses, os unionistas focam-se em passar a mensagem de que o país pode ter o melhor dos dois mundos caso opte por permanecer dentro do Reino Unido, juntando a segurança financeira que é pertencerem ao reino de sua majestade ao facto de passarem a ter mais poderes, com impostos e um orçamento próprio.

O antigo primeiro-ministro Gordon Brown avançou, na sexta-feira, que queria liderar um debate na Câmara dos Comuns, assim que o referendo na Escócia dê vitória ao ‘não’. “O Reino Unido está a aproximar-se de um Estado federal, onde 85% da sua população chega de apenas uma das suas quatro partes”, disse.

 

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: apimentel@observador.pt
Mundo

O poder mobilizador da rejeição /premium

Diana Soller

Um discurso negativo, de rejeição de alguma coisa, independentemente de ser factual ou inventado, tem muito mais impacto junto das populações que um discurso positivo, construtivo ou inclusivo.

Mundo

Delitos de Opinião

António Cruz Gomes

Parece chegado o momento premente dos “Políticos” de cada País determinarem o que deve mudar para salvação do Mundo e preservação da nossa descendência.

PS

O terrível regresso da "Europa da troika" /premium

Miguel Pinheiro

Nas eleições europeias, o PS é contra a "Europa da troika", contra a "Europa dos populistas" e contra a "Europa do Brexit". Ou seja: é uma soma de confusões, contradições e baralhações.

Venezuela

Um objeto imóvel encontra uma força imparável

António Pinto de Mesquita

Num dos restaurantes mais trendy de Madrid ouve-se o ranger de um Ferrari que para à porta. Dele sai um rapaz novo, vestido com a última moda. Pergunta-se quem é. “É filho de um general venezuelano”.

Governo

Cogitações sobre a remodelação /premium

Maria João Marques

Costa promoveu pessoas com pouquíssima experiência profissional fora da vida política. É dos piores indicadores para qualquer político. Viver sempre na bolha dos partidos é péssimo cartão de visita.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)