“Pensei que se não sangrasse, não contava como abuso”. “Pensei que merecia”. “Pensei que conseguia mudá-lo”. “Pensei que ele me matava”. Um dia depois de ter sido divulgado um vídeo em que é possível ver Ray Rice, jogador dos Ravens, a agredir violentamente a noiva, Janay Palmer, o Twitter explodiu com uma hashtag: #WhyIStayed (Porque fiquei). São milhares de tweets que contam histórias semelhantes de mulheres (há alguns homens, também) que não abandonaram relações violentas e que agora decidiram tornar públicas as razões para ficarem. Em algumas dessas mensagens surge também a hashtag #WhyILeft, que em muitos casos conta o desfecho agridoce de histórias de amor abusivas.

Tudo começou quando a escritora Beverly Gooden escreveu estas palavras – “Tive de planear a minha fuga durante meses, antes de ter um lugar para onde ir e dinheiro para o autocarro que me levaria até lá” – e acrescentou a hashtag #WhyIStayed. Depois foi uma questão de tempo.

https://twitter.com/sarahannvella/status/509465954472837120

https://twitter.com/ladyjanefair/status/509465405195177984

https://twitter.com/9LivesofKat/status/509152635946270720

https://twitter.com/Ravensorrow/status/509470545323122688

Enquanto estas histórias inundavam o Twitter, Janay Rice defendeu o marido no instagram: “Acordei esta manhã como se tivesse tido um pesadelo terrível, sentindo-me como se estivesse de luto pela morte de um amigo próximo”. A mulher do antigo jogador responsabilizou a comunicação social por ter de reviver a agressão de que foi alvo dentro de um elevador. No final, deixou uma mensagem: “Fiquem a saber que vamos continuar a crescer e a mostrar ao mundo o que é o verdadeiro amor”.