A Euronext vai suspender a negociação de títulos da Espírito Santo Saúde (ESS) no início da sessão bolsista de terça-feira, enquanto aguarda a divulgação de uma terceira Oferta Pública de Aquisição (OPA) pelo grupo, segundo fonte oficial.

O Diário Económico noticiou esta tarde que a Fidelidade, controlada pelos chineses da Fosun, deverá lançar “nas próximas horas” uma OPA sobre a ESS.

A ESS já recebeu outras duas ofertas, uma do grupo mexicano Ángeles, que pretende pagar 4,50 euros por ação, e outra do Grupo Mello, dez cêntimos abaixo deste valor.

“Até que haja informação disponível para partilhar com o mercado os títulos não vão estar a negociar”, disse a mesma fonte.

Esta decisão pode ser alterada se houver novas informações antes da abertura da Bolsa de Lisboa, as 08:00, que determinem o levantamento desta suspensão.

Entretanto, a ESS comunicou hoje à Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) várias alterações recentes na estrutura acionista, nomeadamente da JP Morgan, que aumentou a sua participação para 2,01%, da Highbridge Capital Management LLC (subsidiária da JP Morgan), que adquiriu 150.000 ações fora da bolsa, ficando com 2,04% do capital, e da Goldman Sachs que reduziu a sua participação acionista para 0,590%.

O resultado da oferta está previsto para 06 de outubro e dois dias depois, a 08 de outubro, deverá ocorrer a liquidação física e financeira da OPA.

A ESS é atualmente detida maioritariamente pela Rioforte, empresa do Grupo Espírito Santo (GES), e é dona, entre outros ativos, do Hospital da Luz, em Lisboa, e gere, em regime de Parceria Público-Privada, o Hospital de Loures.

No final de maio, a ESS anunciou que o seu lucro quase duplicou em termos homólogos no primeiro trimestre do ano, para 4,6 milhões de euros.