Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Uma mulher de 63 anos, acusada de perseguir os pais de Madeleine McCann na internet, foi encontrada morta num quarto de hotel em Leicester, Inglaterra.

A mulher, identificada como Brenda Leyland, mas mais conhecida por @sweepyface, nome que usava no Twitter, foi encontrada morta este fim de semana, apenas uns dias depois de ter sido identificada por um jornalista da Sky News como a mulher que ameaçava o casal McCann na internet.

De acordo com a imprensa britânica, Brenda Leyland tinha sido confrontada na semana passada pelo jornalista Martin Brunt, da Sky News, sobre as suspeitas de que tinha vindo a recorrer sistematicamente ao Twitter para publicar comentários contra Kate e Gerry McCann, pais de Maddie, que desapareceu na Praia da Luz, no Algarve, em maio de 2007. Segundo o Guardian, a mulher terá saído de casa depois da conversa com o jornalista, tendo sido vista pelos vizinhos pela última vez na quinta-feira.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Não parece haver, no entanto, de acordo com a polícia que está a investigar o caso, indícios de crime. A hipótese de suicídio parece ser a mais provável.

Na quarta-feira, a cadeia de televisão Sky News transmitiu uma reportagem sobre o caso, acusando Brenda Leyland de ser uma das dezenas de pessoas que tem vindo a protagonizar ataques online aos pais de Maddie McCann. Perante a abordagem do jornalista Martin Brunt, a mulher mostrou-se inicialmente relutante em explicar as suas motivações, mas acabou por dizer apenas que tinha “o direito” de expressar as suas opiniões. E quando lhe foi dito que um conjunto de provas tinha chegado à polícia, terá dito “é justo”.

A mulher terá depois convidado o repórter para sua casa e, com as câmaras desligadas, terá explicado que se limitou a expressar os seus pontos de vista na internet porque “tinha questões para os McCann”. Ainda assim, disse, esperava “que não tivesse infringido a lei”.

Um vizinho de Brenda, que quis permanecer anónimo, disse ainda ao jornal local Leicester Mercury que “alguém tirou uma fotografia a Brenda Leyland na quinta-feira à tarde, e depois nunca mais a vi”. Outros acrescentaram que temeram pela sua segurança depois de aparentemente ter fugido na altura em que a reportagem foi para o ar.

De acordo com o porta-voz da polícia de Leicester, as autoridades foram “chamadas às 13h42 de sábado, 4 de outubro, devido ao corpo de uma mulher que tinha sido encontrado num quarto de hotel em Smith Way, Grove Park”. A polícia esteve no local mas a morte “não está a ser tratada como suspeita”. Ou seja, não há aparentemente indícios de crime.