O Presidente ucraniano, Petro Porochenko, confirmou ter concordado com a Rússia, durante conversações em Milão, relativamente a um preço provisório do gás russo fornecido à Ucrânia durante os próximos meses de inverno.

“Com base nas consultas, posso dizer que a Ucrânia terá gás, terá aquecimento”, garantiu Petro Porochenko, numa entrevista divulgada na noite de sábado pelas televisões ucranianas.

Depois das conversas, com Porochenko, na sexta-feira em Milão, o Presidente russo, Vladimir Putin, tinha aludido já a “progressos” e um “acordo sobre as condições para a retoma da entrega do gás, pelo menos no inverno”.

Em meados de junho, a Rússia cortou o fornecimento de gás à Ucrânia devido à recusa de Kiev em pagar o preço imposto por Moscovo no contexto da crise entre os dois países. Segundo a Rússia, a dívida ucraniana ascende a 5,3 milhões de dólares (4,3 milhões de euros).

“Chegámos a um acordo [relativamente ao preço]. A posição ucraniana foi, de facto, aceite: falámos apenas do inverno e fixámos um preço de 385” dólares por mil metros cúbicos, declarou Porochenko, acrescentando que “os russos aceitaram”.

O chefe de Estado ucraniano explicou que, para os meses de verão, quando a procura é menor, Kiev defendeu um preço de 325 dólares, mas a proposta foi rejeitada por Moscovo, estando o valor atualmente fixado em 485 dólares.

Porochenko encontrou-se com Putin por três vezes, incluindo na presença de dirigentes europeus, por ocasião da cimeira Ásia-Europa (ASEM), em Milão, num espaço de apenas dez horas.

Os dois líderes fizeram progressos no quadro do litígio sobre o fornecimento de gás — embora sem um acordo completo –, estando previstas negociações a nível ministerial em Bruxelas para terça-feira. Neste sentido, Poroshenko disse esperar que um acordo possa ser fechado na Bélgica ou menos antes disso. “Antes de 21 de outubro, esperamos encontrar uma solução para a questão da energia”, afirmou.

A Rússia é o maior fornecedor de gás da União Europeia (UE). Doze países do centro e leste da Europa dependem do gás russo para cobrir mais de três quartos das suas necessidades.