O pianista croata Dejan Lazic pediu ao Washington Post que apagasse este artigo feito pela crítica de música clássica Anne Midgette, relativa a um concerto dado pelo artista em 2010, escreve o mesmo jornal. Lazic baseia este pedido no “direito ao esquecimento”, uma lei aprovada em maio pela União Europeia, que dá aos europeus a possibilidade de pedir a eliminação dos seus dados pessoais da Internet. O pianista queixa-se de encontrar o artigo em questão na primeira página da pesquisa no Google pelo seu nome.

“O meu pedido não está de forma alguma relacionado com censura ou com uma tentativa de encerrar o acesso à informação”, explicou Lazic ao Washington Post. Para o pianista, trata-se de uma questão de controlo da sua imagem e “da verdade”. Isto porque, defende Lazic, devia ser possível viver num mundo onde todos – artistas, políticos, funcionários públicos – pudessem editar os registos das suas opiniões e gostos pessoais.

O jornal explica aos leitores que este é o primeiro pedido que recebe ao abrigo da lei comunitária, que não pode ser aplicada neste caso – a decisão aplica-se a motores de busca, não a publicações, e restringe-se ao espaço da União Europeia. E acrescenta: “É uma demonstração fascinante e preocupante da forma como a lei pode ser usada”.

Por que razão a crítica de 2010 incomoda tanto Lazic, ao ponto de querer que ela desapareça? Para o pianista, o texto de Midgette é “difamatório, mal-intencionado, opinativo, parcial, ofensivo e simplesmente irrelevante para as artes”. Na análise feita pelo Washington Post à crítica musical, o jornal conclui que a Midgette criticou aquele concerto específico, mas fez várias referências aos feitos de Lazic.

O jornal norte-americano considera que a discussão tem menos a ver com a lei ou a ética, tratando-se antes de uma questão metafísica básica sobre o conceito de realidade. Para o Washington Post, Lazic e a União Europeia parecem acreditar que o indivíduo tem o poder de escolher aquilo que constitui a verdade sobre si próprio.

Três meses depois de o “direito ao esquecimento” ter entrado em vigor, a Google aprovou 53% dos pedidos de “esquecimento” e depois de uma revisão, mais 15%, lembra o jornal, que faz uma pesada crítica às possíveis consequências desta lei:

“Esqueçamos por um momento que uma atitude destas põe em causa os fundamentos da crítica de arte, algo que mesmo Lazic considera melhorar a sociedade. Esqueçamos por um momento que isto invalida totalmente a função principal do jornalismo, que passa por filtrar histórias individuais que competem entre si para chegar aquela que mais facilmente espelha a realidade coletiva. Ou que menospreza um dos grandes trunfos da internet – o de registar toda a nossa produção intelectual”.