Na quarta-feira, o Facebook lançou um botão para permitir aos utilizadores que contribuam monetariamente na luta contra o ébola. Esta campanha vai estar disponível nos feeds durante uma semana, dando a opção aos cerca de 1,3 biliões de utilizadores de fazer um donativo a uma de três organizações sem fins lucrativos: a International Medical Corps, a Save the Children e a Cruz Vermelha. Em Portugal parece não estar disponível a opção de doar a esta última.

Mark Zuckerberg, o diretor-geral do Facebook, doou 25 milhões de dólares (cerca de 20 milhões de euros) e anunciou o donativo na sua página pessoal.

zuckerberg

A rede social lançou uma campanha semelhante em 2013, para auxiliar as pessoas afetadas pelo Tufão Haiyan.

De acordo com o site Quartz, até agora os donativos para a luta contra o ébola não têm sido impressionantes. A Cruz Vermelha ainda só conseguiu angariar 3,7 milhões de dólares (3 milhões de euros) na campanha contra o vírus. Para o tufão esse valor atingiu os 87 milhões de dólares (70 milhões de euros). O site oferece uma explicação para esta diferença: o imediatismo de mortos e destruição associado aos desastres naturais leva as pessoas a contribuir no momento. No caso do ébola, o número de mortes vai aumentando a um nível gradual, sem que haja uma campanha coletiva repentina.