Rádio Observador

Comissão de Inquérito BES

Jurista contraria governador sobre idoneidade de Salgado. PSD quer voltar a ouvir Carlos Costa

Um dos juristas que deu parecer sobre a idoneidade do ex-presidente do BES contraria tese do governador e diz que Banco de Portugal tinha poderes para afastar Salgado. PSD volta a chamar Carlos Costa.

Carlos Costa poderá voltar à comissão de inquérito aos atos de gestão do BES

TIAGO PETINGA/LUSA

O PSD quer que o governador do Banco de Portugal (BdP) explique o “desacerto” entre os factos afirmados na comissão parlamentar ao caso BES e revelações posteriores sobre o porquê de Ricardo Salgado não ter sido afastado mais cedo do cargo de presidente executivo.

Na semana passada, ouvido no parlamento, o governador Carlos Costa realçou que o supervisor não tinha poderes consagrados na lei para afastar a equipa de gestão do Banco Espírito Santo (BES) e retirar a idoneidade de Ricardo Salgado, socorrendo-se, entre outros elementos, de um parecer de “dois grandes juristas de Coimbra a mostrar que o BdP não podia fazer o que queria fazer”, isto é, afastá-lo da presidência do BES.

Em carta endereçada aos deputados da comissão, o professor Pedro Maia, um desses dois juristas de Coimbra, “esclarece cabalmente a sua posição”, disse à agência Lusa o deputado do PSD Carlos Abreu Amorim, dizendo “exatamente o contrário” do que havia revelado Carlos Costa.

Em nome do “esclarecimento da verdade” e da “defesa do meu bom nome profissional”, o jurista argumenta que o seu parecer foi dado apenas com tendo como base os factos apresentados por Ricardo Salgado em carta dirigida ao Banco de Portugal e tendo como referência novembro de 2013.

Pedro Maia sustenta que, nos meses seguintes foram apurados outros factos pela auditora KPMG, caso Monte Branco e a omissão de 1,3 mil milhões de dívida de euros nas contas do grupo. Conclui assim que “não é possível que a decisão de V. Exa tomou sobre a idoneidade do Senhor Ricardo Salgado ao longo de meses subsequentes a novembro de 2013, e que estejam em apreciação, tenham qualquer ligação com o estudo que elaborei”.

O “Banco de Portugal não sofre, no meu entendimento, da limitação de poderes que a jurisprudência lhe aponta e que o Banco de Portugal quis seguir”. Para este jurista, o “Banco de Portugal considerou ter poderes mais limitados do que aqueles que o meu parecer reconhece”.

 

Jurista defende que Banco de Portugal já tem poderes para retirar idoneidade

O jurista sublinha ainda que o supervisor entendeu que no juízo sobre a idoneidade deve ser ponderada os efeitos sobre a estabilidade financeira, questão que sem sequer refere. Realça por isso que a opinião emitida no seu parecer “não suporta a orientação do Banco de Portugal de não retirar a idoneidade sem uma acusação ou uma condenação judicial prévias “. No seu entendimento, o “Banco de Portugal goza já, hoje, de poderes que reclama e que terá pedido para que lhe fossem conferidos através de uma alteração do quadro legal.”

Pedro Maia foi chamado pelos sociais-democratas para prestar o seu depoimento na comissão de inquérito, adiantou ainda o parlamentar do PSD.

“O grupo parlamentar do PSD tem a perceção e faz a interpretação jurídica de que o BdP possui os poderes necessários e bastantes para que fosse retirada em devido tempo a idoneidade dos administradores do BES e do GES”, sublinha Carlos Abreu Amorim, coordenador do PSD na comissão de inquérito.

Em data por agendar será novamente ouvido Carlos Costa e também o vice-governador Pedro Duarte Neves, compromisso estabelecido entre todos os grupos parlamentares, revelou o deputado do PSD.

A comissão de inquérito, que arrancou na semana passada, tem um prazo de 120 dias, que pode eventualmente ser alargado.

A 3 de agosto, o Banco de Portugal tomou o controlo do BES, após a apresentação de prejuízos semestrais de 3,6 mil milhões de euros, e anunciou a separação da instituição em duas entidades: o chamado ‘bad bank’ (um veículo que mantém o nome BES e que concentra os ativos e passivos tóxicos do BES, assim como os acionistas) e o banco de transição que foi designado Novo Banco.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)