Há um novo interessado na corrida pelo Novo Banco: a Apollo Global Management. O “private equity” norte-americano está, segundo o Jornal de Négocios está a preparar-se para entregar a manifestação de interesse que os interessados têm de apresentar até 31 de dezembro. Irá juntar-se, assim, ao BPI, Santander e à chinesa Fosun. Ainda segundo este jornal, todos os concorrentes à compra desta instituição bancária vão pedir garantias à atual administração para não arcarem com as consequências dos processos jurídicos que decorrem contra a medida de resolução decidida para resolver os problemas do banco em agosto passado.

O Jornal de Negócios avança que a Apollo, gestora de investimentos norte-americana, está na corrida ao Novo Banco. Esta instituição gere atualmente 159 mil milhões de dólares de private equity – entre alguns dos investimentos está a empresa de acessório Claire’s, os hotéis Caesar e a Century 21. Segundo este jornal, a gestora está agora a ultimar os preparativos da sua candidatura à compra do banco português.

Uma exigência de todos os concorrentes à aquisição do Novo Banco, ainda de acordo com o Jornal de Negócios, é que o resultado dos processos judiciais contra a medida de resolução que dividiu o banco em banco bom e banco mau não se reflitam no comprador final.

Até agora, 20 fundos contestaram juridicamente a medida e uma das guerras mais difíceis está agora a travar-se entre a Goldman Sachs e o Banco de Portugal. A gestora defende que os 834 milhões de dólares de um empréstimo que acabou no banco mau fora aí parar indevidamente já que esta participação no Banco Espírito Santo não era diretamente sua.